Eleições 2022: Quem são os pré-candidatos ao Governo de SC

Nesse momento, quem deseja ocupar a Casa D'Agronômica é só pré-candidato. Entre o final de julho e início de agosto, quando ocorrem as convenções partidárias, é que os concorrentes serão oficializados como candidatos. Desta forma, a lista atual levantada – que representa o panorama até este sábado, 28 de maio – poderá mudar após a realização dos eventos partidários.
Montagem: Editoria de Arte

As eleições são só em outubro, mas antes mesmo da votação já se iniciam as movimentações no tabuleiro político com vistas ao pleito que definirá quem comandará o Estado de Santa Catarina pelos próximos quatro anos, a partir de 1º de janeiro de 2023. As pré-candidaturas já se apresentam e começam a ganhar corpo.

Nesse momento, quem deseja ocupar a Casa D’Agronômica é só pré-candidato. Entre o final de julho e início de agosto, quando ocorrem as convenções partidárias, é que os concorrentes serão oficializados como candidatos. Desta forma, a lista atual levantada – que representa o panorama até este sábado, 28 de maio – poderá mudar após a realização dos eventos partidários.

Antídio Lunelli (MDB)

Empresário do ramo de confecções, Antídio Lunelli é natural de Corupá e entrou para a vida pública em 2016 como prefeito eleito de Jaraguá do Sul. Foi reeleito em 2020 e renunciou ao cargo em abril, como parte da exigência legal para a eleição de outubro. A candidatura tem apoio maciço do presidente do MDB-SC, deputado Celso Maldaner. Apesar de ter passado pelo momento polêmico das prévias partidárias e ser homologado como pré-candidato, enfrenta resistência e falta de apoio de alguns deputados e prefeitos do partido, como Deyvisonn de Souza, de Pescaria Brava.

Divulgação

Carlos Moisés da Silva (Republicanos)

Nascido na capital, Carlos Moisés da Silva foi bombeiro militar e se aposentou pela corporação quando comandava o Batalhão de Tubarão. Se filiou ao PSL em 2018 e foi escolhido como candidato ao governo do Estado naquela eleição. Influenciado pelo fator Jair Bolsonaro (PL), foi eleito no segundo turno com mais de 70% do votos. Deixou o PSL e entrou no Republicanos neste ano. A política municipalista adotada após ter superado o segundo processo de impeachment ajudou Moisés a aglutinar apoio de prefeitos, como Samir Ahmad (Republicanos), de Laguna. Já tem a confirmação do Podemos como futuro partido dentro da coligação e trabalha para tentar trazer legendas fortes para a aliança.

Carlos Moisés da Silva, em entrevista a Agora Laguna – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom-SC/Arquivo

Dário Berger (PSB)

Após deixar o MDB, Dário Elias Berger entrou no PSB, em março deste ano, em evento que filiou o ex-governador de SP, Geraldo Alckmin. Berger é natural de Bom Retiro e foi prefeito de São José entre 1996 e 2004 e de Florianópolis, entre 2005 até 2015. Já teve filiações no PFL (hoje DEM) e PSDB. Atualmente é senador da República e disputa a cabeça da chamada Frente Democrática, que tem também o PDT, PSOL, Rede e Solidariedade, além do PT, PCdoB e PV, que se uniram na Federação Brasil da Esperança.

Dário Berger – Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Décio Lima (PT)

Ex-vereador e prefeito de Blumenau, Décio Lima foi deputado federal pelo PT por três mandatos e atuou como superintendente do Porto de Itajaí entre 2005 e 2006. Em 2018, se elegeu presidente estadual do partido em Santa Catarina e segue no cargo. Disputou o governo estadual naquele mesmo ano e é o pré-candidato da legenda petista para a eleição de outubro. Trabalha para ser indicado como candidato em agosto, liderando a Frente Democrática. Lima tem apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato à Presidência pela sigla.

Décio Lima – Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna/Arquivo

Esperidião Amin (Progressistas)

Natural da capital, Esperidião Amin está há mais de 50 anos na carreira pública. Professor universitário, foi diretor de administração da Secretaria de Educação e Cultura de Santa Catarina no governo de Ivo Silveira e ocupou os cargos de prefeito de Florianópolis, governador e deputado federal por três mandatos. Disputou a Presidência da República em 1994 e é senador atualmente. Em 2018, chegou a ser lançado candidato ao governo, mas abriu mão em favor de uma aliança com o PSD, na época de Gelson Merísio. É o pré-candidato do Progressistas e foi escolhido após as retiradas das intenções do ex-deputado federal Jorge Boeira, que deixou o partido e foi para o PDT, e do prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, que declarou apoio publicamente a Carlos Moisés.

Espiridião Amin – Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Fernando Coruja (PDT)

Professor universitário, médico e ex-prefeito e ex-vereador de Lages, Carlos Fernando Agustini é mais conhecido como Fernando Coruja. Foi deputado federal duas vezes e secretário de Saúde da capital Florianópolis. Estava afastado da vida pública, mas voltou ao páreo político ao aceitar filiação no PDT para ser pré-candidato ao governo e, numa segunda hipótese, disputar o Senado.

Fernando Coruja – Foto: Agência AL

Gean Loureiro (União)

Advogado, Gean Loureiro foi vereador por cinco mandatos, deputado estadual e prefeito de Florianópolis por dois mandatos. Renunciou ao cargo para se desincompatibilizar legalmente a tempo de disputar o pleito de outubro. É o pré-candidato do União Brasil, partido que foi criado pela fusão do PSL e DEM em 2021. Já conseguiu trazer para a coligação o PSD, que abriu mão de disputar o governo com o ex-governador Raimundo Colombo, hoje pré-candidato ao Senado.

Gean Loureiro, em reunião na Câmara de Laguna – Foto de arquivo

Gelson Merísio (Solidariedade)

Ex-vereador de Xanxerê, ex-presidente da Fiesc e ex-deputado por três mandatos, Gelson Merísio passou por Democratas, PSD, PSDB até se filiar ao Solidariedade no ano passado e ser cotado como pré-candidato da Frente de Esquerda. Concorreu ao governo catarinense em 2018 e perdeu no segundo turno para o eleito Carlos Moisés.

Gelson Merísio – Foto: Agência AL

Jorginho Mello (PL)

Filiado ao PL e atualmente presidente da legenda no estado, Jorginho Mello foi vereador em Herval d’Oeste, deputado federal e estadual por seis legislaturas, somadas. Desde 2018 é senador da República e é pré-candidato a governador de Santa Catarina em 2022. Tem proximidade e apoio de Bolsonaro.

Jorginho Mello – Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Odair Tramontin (Novo)

Odari Tramontin é natural de Campo Erê, promotor de Justiça e professor universitário. Coordenou o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e foi o terceiro mais votado na eleição para a prefeitura de Blumenau em 2020. Foi indicado como pré-candidato do Novo.

Odair Tramontin – Reprodução/Youtube/Novo

Ralf Zimmer Junior (Pros)

Defensor público estadual, Ralf Zimmer ficou notoriamente conhecido ao pedir o impeachment do governador Carlos Moisés e da vice Daniela Reinehr (PL). Tentou se eleger deputado federal em 2018, pelo PSDB, mas não conseguiu. Em 2021, ingressou no Pros e é pré-candidato ao governo.

Ralf Zimmer Junior – Foto: Solon Soares/Agência AL

Notícias relacionadas