Peixe-lua gigante é encontrado na região de Laguna

Espécie é considerada o peixe ósseo mais pesado do planeta e é raro de ser avistada. Anteriormente, em 2019, dois exemplares desse peixe apareceram nos Molhes da Barra e também na comunidade da Figueira.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 26,892 visualizações,  4 views today

Pescadores encontraram um peixe-lua nas proximidades da Ilha de Tacamí, que fica nos limites geográficos ente Laguna e Imbituba. A cena foi registrada na tarde da última  segunda-feira, 8.

“Foi a primeira vez que vi, mas o pescador, que estava comigo, já conhecia”, relatou, em entrevista ao ND+, o comerciante Anselmo Acelino.

A espécie é considerada o peixe ósseo mais pesado do planeta e é raro de ser avistada. Anteriormente, em 2019, dois exemplares desse peixe apareceram nos Molhes da Barra e também na comunidade da Figueira.

Nas filmagens divulgadas pelo jornal, se vê o peixe aproximando do barco, onde estava Acelino e o pescador e policial militar Leonardo Vieira. A dupla se impressionando com o tamanho do animal. Assista acima.

Conheça

peixe-lua (denominado cientificamente Mola mola, mas também chamado Rolim, entre outras designações pertencente à ordem Tetraodontiformes é o maior e mais pesado peixe ósseo do mundo, podendo pesar cerca de 900 quilos e crescer 6 metros de comprimento. O peixe-lua distingue-se pela forma circular do corpo, pouco habitual nos peixes que são em geral fusiformes. Esta espécie não tem barbatanas caudais e a locomoção é feita pelo movimento conjugado das barbatanas dorsal e anal.

O peixe-lua habita as zonas temperadas e quentes dos Oceanos Atlântico e Pacífico e alimenta-se de zooplancton e pequenos peixes tendo preferência por águas-vivas. Por causa das grandes dimensões da barbatana dorsal, este animal é por vezes confundido com um tubarão quando observado da superfície. O peixe-lua é considerado, em algumas culturas, um petisco apetecível, mas a sua carne contém neurotoxinas em quantidades apreciáveis. A espécie pode estar ameaçada de extinção.