Família mantém esperança de encontrar sinais de homem desaparecido em piscina

 1,744 visualizações

Esvaziada quase que por completo nesta terça-feira, 2, a piscina desativada de um antigo camping na praia do Gi segue como um dos locais onde a família de Diego Bastos Scott, 39 anos, pretende fazer buscas tentando achar vestígios que ajudem a localizá-lo. Scott desapareceu há quase três semanas e não há sinais de seu paradeiro.

Uma denúncia recebida pela família e pela polícia, afirma que uma viatura teria sido vista ali no dia do desaparecimento de Scott. No último dia 15 de janeiro, o morador do bairro Progresso não foi mais visto após ser colocado dentro de um carro policial.

Desde a manhã de segunda-feira, 1º, a piscina é analisada por policiais civis e militares. O Corpo de Bombeiros enviou bombas de sucção para ajudar no esvaziamento da água acumulada. Estimativa obtida pela reportagem do Portal diz que o local teria capacidade até 650 mil litros.

O serviço ocorreu a passos lentos e foi interrompido durante a noite e recomeçado só hoje pela manhã. Por volta das 15h, os bombeiros desligaram as bombas, por não haver mais como sugar água. A família então contratou um caminhão hidrojato para auxiliar no trabalho, mas decidiu seguir por conta própria. Quem entrou na piscina, não conseguiu encontrar nada.

Como há presença de jacarés-de-papo-amarelo na área, o apoio da Polícia Militar Ambiental (PMA) deve ser solicitado na quarta-feira, 3, para que seja feita varredura ali e captura dos répteis, evitando possíveis ataques às pessoas. “Se não encontrarmos nada, só nos resta aguardar a conclusão dos inquéritos, mas há esperança de achar algo no local, sim”, diz o advogado da família, Breno Schiefler Bento.

As buscas por contra própria, realizadas por familiares, devem seguir nos próximos dias. Já a Polícia Civil apura o caso, através da Divisão de Investigação Criminal (DIC), e chegou a mobilizar até helicóptero na tentativa de localizar o desaparecido. Um Disque-Denúncia foi aberto pelos telefones 181, da Polícia Civil e o (48) 9 9118-3684, da DIC.

Piscina tem 25 metros de comprimento

Portal Agora Laguna apurou que a empresa dona do terreno do antigo camping avalia o que fazer com a piscina. A hipótese de aterrar, como já foi feito em outra menor, foi descartada em um primeiro momento.

O espaço tem cerca de 25 metros de comprimento com altura que chega a quase 2 metros. Os trabalhos de esvaziamento duraram cerca de 14 horas.

A piscina está desativada há anos. No local também havia quadra de basquete e um campo de futebol, usado para treinamento de equipes que se hospedavam no hotel. Os dois espaços esportivos foram tomados pelo matagal e uma segunda piscina, menor, foi aterrada há algum tempo. Jacarés-de-papo-amarelo podem ser vistos na área.

Já o terreno foi utilizado por muitos anos como sede de forças de segurança. A Polícia Militar Ambiental, a própria Divisão de Investigação Criminal (DIC) da Polícia Civil e a Guarda Municipal tiveram suas bases montadas na área. Hoje, há um cemitério de veículos abandonados no pátio, que vão de ônibus a automóveis.

Notícias relacionadas