Pavimentações do Mar Grosso, Praia do Sol e SC-437 estão no radar de fiscalização do Tribunal de Contas

Destas, somente a obra feita no território bravense ainda não retornou. Nas demais, entre dezembro e abril, os maquinários pararam ou diminuíram o ritmo de trabalho, à espera dos repassasses financeiros para a continuidade.
Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Obras realizadas com recursos de convênios milionários do Governo de Santa Catarina estão no radar de uma apuração aberta pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE-SC) para obter detalhes das obras rodoviárias e dos convênios e contratos em execução e razões por trás da suspensão pelo Executivo. Pavimentações em Laguna e Pescaria Brava estão no lote de investigação.

A apuração é chefiada pelo conselheiro José Nei Ascari, relator dos processos da Secretaria de Estado da Infraestrutura (SIE) na Corte fiscal. Até o momento, o governo ainda não respondeu às diligências realizadas pela área técnica do tribunal. Agora Laguna tomou conhecimento que uma equipe da Controladoria-Geral do Estado (CGE) deve vir à cidade para vistoriar as obras.

As pavimentações no foco são: o acesso às praias do Sol e Gi, o sistema viário de tráfego do Mar Grosso e a beira-mar, além da rodovia Pedro Bittencourt, a SC-437, em Pescaria Brava. Destas, somente a obra feita no território bravense ainda não retornou. Já as demais, entre dezembro e abril, os maquinários pararam ou diminuíram o ritmo de trabalho, à espera dos repassasses financeiros para a continuidade. Os trabalhos são executados pela Qualidade Mineração nas duas cidades.

O TCE aponta vários motivos para a suspensão das obras rodoviárias pelo estado, como: valor por quilômetro, falta de recursos financeiros, falta de conhecimento ambiental, planejamento orçamentário deficiente e projetos de engenharia de baixa qualidade. Não há prazo definido para a conclusão da auditoria do tribunal, a terceira realizada na cidade em dois meses.

Notícias relacionadas