Trato por Laguna orienta sobre agendamento de vistorias

Programa já vistoriou 3,416 imóveis nos bairros Mar Grosso, Magalhães. Navegantes, Vila Vitória e Portinho. Trabalho de campo começa com a entrega, de casa em casa, do comunicado oficial que além de apresentar o programa, traz orientações sobre como agendar a vistoria.
Divulgação/Trato por Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,788 visualizações,  4 views today

Desde 18 de janeiro, o Trato por Laguna, programa ambiental da Casan, presta consultoria técnica gratuita aos proprietários dos imóveis. Os moradores são os principais alvos dessa ação e podem agendar vistorias para inspeções. O objetivo é identificar se as ligações sanitárias estão corretas, orientando e conscientizando a população sobre a importância da destinação correta do esgoto.

O programa já vistoriou 3,416 imóveis nos bairros Mar Grosso, Magalhães. Navegantes, Vila Vitória e Portinho. O trabalho de campo começa com a entrega, de casa em casa, do comunicado oficial que além de apresentar o programa, traz orientações sobre como agendar a vistoria.

“É muito importante atingirmos todos os imóveis dos bairros atendidos pela rede de coleta para melhorar efetivamente o saneamento básico de Laguna”, explica o engenheiro Rodrigo Miranda, da JPR Ambiental, empresa executora do programa.

Após receber o comunicado o agendamento, o morador deve entrar em contato com o Trato por Laguna, através das redes sociais, do site institucional tratoporlaguna.com.br ou do WhatsApp (48) 9 9611-7706, para marcar o melhor dia e horário para receber a equipe.

Cada entrega de comunicado é registrada, uma vez que, caso não haja contato para agendar a vistoria, os dados do imóvel são repassados aos órgãos de fiscalização responsáveis, podendo acarretar multa.

Durante as vistorias são verificados todos os pontos que geram esgoto em um imóvel, como banheiro, cozinhas e áreas de serviço. Os técnicos também avaliarão pontos de coleta das águas pluviais, como ralos, calhas (externas e embutidas) e outras caixas e tubulações de drenagem do terreno e piscinas, que não podem estar conectados à rede pública de esgotamento.

Em caso de irregularidade, o cidadão é orientado pela equipe técnica sobre como fazer as adequações necessárias, recebendo um prazo para regularização – que será comprovada e registrada em nova inspeção.

Notícias relacionadas