Preto Lauffer lança primeiro livro em julho

"É 75% de Poesia, 15% de grito e 10% de alforria. A pólvora aqui é feita de palavras provindas da diáspora, originando o livro como área de acolhimento àqueles que se identificam na dor de cada verso. O folhear das páginas, convida a olhar a obra de uma perspectiva diferente. A complexidade é relativa, quão distante essas palavras estão da sua realidade?", adianta o jovem.
Arquivo pessoal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,964 visualizações,  12 views today

Hoje, ele se define como pedagogo social e traficante de poesias, mas sem esquecer das palavras que escreveu lá atrás, aos sete anos de idade: “Filho da favela, racismo e preconceito”. Preto Lauffer, pseudônimo que se tornou a identidade pública de Rodrigo Lauffer, usou sua trajetória de vida e os caminhos percorridos nas lutas sociais em prol de um mundo mais digno para compor seu primeiro livro. Entre a diáspora e a pólvora será lançado oficialmente em julho, durante a Festa Literária Júlia Nascimento (Flijun).

Lauffer atua há mais de quinze anos com projetos socioculturais, voltados a crianças, jovens e adolescentes em vulnerabilidade. Ele utiliza do rap (ritmo e poesia, na sigla original) como meio de comunicar e transmitir uma mensagem que possa mudar a vida desse público, ainda cedo. Foi através desse gênero de música e expressão que começou a escrever. “Antes mesmo do que eu soubesse o que era poesia. Desde meados dos anos 2000, quando subi num palco pela primeira vez. Lá, com o grupo de rap Elemento Suspeito nasceu um sonho”, revela.

Agora, toda essa gama de sentimentos foi transportada para as páginas de uma obra. “É 75% de Poesia, 15% de grito e 10% de alforria. A pólvora aqui é feita de palavras provindas da diáspora, originando o livro como área de acolhimento àqueles que se identificam na dor de cada verso. O folhear das páginas, convida a olhar a obra de uma perspectiva diferente. A complexidade é relativa, quão distante essas palavras estão da sua realidade?”, adianta o jovem.

O livro é prefaciado pelo psicólogo Danilo Gomes, que analisou: “[Lauffer] escreve quase sempre com fome. Escreve de pés descalços, transpira sangue e suor, no papel, no palco, na calçada ou sala de aula. Não só por ofício, mas principalmente por necessidade própria, e de quem não conseguiu chegar até aqui”. A obra está em pré-venda no site da publicadora Editora Sambaqui, por R$ 35.

Divulgação