Divulgação

Um pedido feito pela defesa do vereador de Laguna, Cleosmar Fernandes (MDB), para revogar a prisão preventiva ordenada contra ele, foi negado pelo juiz de direito Pablo Vinicius Araldi, na última segunda-feira, 26. O emedebista foi detido pela Operação Seival II há um mês, junto com os edis Thiago Duarte e Valdomiro Barbosa, do mesmo partido.

No documento que Agora Laguna teve acesso nesta quinta-feira, 29, a defesa de Fernandes argumenta que a detenção era “excessiva”, pois as investigações estão concluídas e que o político poderia cumprir a prisão em domicílio, por causa da filha.

Para o magistrado da Vara Criminal da Comarca de Laguna, as alegações não foram suficientes para revogar a prisão preventiva e convertê-la em detenção domiciliar. Revogar a medida judicial em prol dos filhos quando menores de 12 anos é uma hipótese prevista em lei, mas para Araldi, “a defesa não comprovou que o acusado é o único responsável pela menor, assim, não há indícios concretos de que a infante está desamparada e que a concessão da prisão domiciliar seja imprescindível para os cuidados da menor”.

O juiz também afirmou na sentença: “As provas angariadas no feito demonstram a enorme influência política que o acusado possui, portanto, sua liberdade poderá representar ainda embaraços à instrução criminal em curso, tal como à oitiva das testemunhas na fase judicial”. Anteriormente, ao menos dois pedidos semelhantes também haviam sido negados pela Justiça.