Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Este ano, o dia 30 de agosto tem dois motivos para comemoração: a lembrança do nascimento de Anita Garibaldi e o início da contagem regressiva para o bicentenário da heroína. A figura dela inspira diversas ações culturais e até nome de cidade, em Santa Catarina.

Nascida em 1821, a lagunense Ana Maria de Jesus Ribeiro desde cedo mostrava que era diferente das demais meninas de seu tempo e a história provou isso. Aos 18 anos de idade deixou sua terra natal para viver uma vida revolucionária ao lado do militar italiano Giuseppe Garibaldi.

O casal participou de várias batalhas na Revolução Farroupilha, no Uruguai e principalmente pela reunificação da Itália. Sempre mostrando em defender seus ideais, Anita não desanimava e ousava pegar em armas mesmo quando grávida ou até com um filho nos braços.

A heroína morreu em 4 de agosto de 1849, acometida de uma forte febre, prestes à dar à luz a um novo filho, que também não resistiu.

A memória e a trajetória dela inspiram teatros, filmes, músicas, livros e até nome de cidade. E essa importância é tema de um projeto internacional que será realizado em 2021, com contagem regressiva iniciada neste domingo.

Iniciado há dois anos, o projeto do bicentenário tem a intenção a realização de eventos em todas as cidades catarinenses, gaúchas, uruguaias, italianas e de San Marino, que têm relação com a trajetória de Anita Garibaldi. A ideia é fazer até 2021, eventos comemorando a memória da personagem histórica nascida em 1821.

A iniciativa é fruto de um convênio internacional celebrado entre o Museu Renzi, de Borghi (Itália) e o Instituto Cultural Anita Garibaldi (CulturAnita) de Laguna (Brasil).

As duas entidades compartilham entre si os direitos de reprodução da Rosa de Anita, uma flor híbrida criada pelo botânico italiano Giulio Pantoli (morto em 2018). Ele era garibaldino e desenvolveu a rosa insipirado na figura da heroína. O híbrido é o símbolo das comemorações de 2021.