‘Já passam de centenas’, diz delegado sobre número de furtos no Carnaval

O índice cresce desde domingo, 11, quando ocorreu o Bloco da Pracinha, maior concentração popular. Estima-se que mais de 150 mil pessoas ocuparam as avenidas do Magalhães e Mar Grosso durante o cordão carnavalesco.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

O número oficial ainda não foi calculado, mas já passam de centenas de registros de furto ou mesmo perda de telefones celulares e documentos pessoais no Carnaval de Laguna.

O índice cresce desde domingo, 11, quando ocorreu o Bloco da Pracinha, maior concentração popular. Estima-se que mais de 150 mil pessoas ocuparam as avenidas do Magalhães e Mar Grosso durante o cordão carnavalesco.

“Tivemos inúmeros registros; ainda estão surgindo muitos registros, então não temos um número aproximado, ainda. Mas já adianto que já passam de centenas”, relata o delegado Rubem Teston, da Polícia Civil.

De acordo com o delegado, a principal orientação em eventos com massa popular como a de domingo é evitar de levar celulares, sobretudo quando há cartão de crédito junto.

“Caso o levem, não os deixar em bolsos traseiros na bermuda ou shorts, ou em bolsas femininas a tiracolo. Cuidar com relação ao consumo excessivo de álcool, o que prejudica a vigilância; Ainda, procurar andar em grupos de amigos conhecidos, o que evita a aproximação de larápios”, indica Teston.

No caso de furto, além do boletim de ocorrência – que pode ser feito pela Delegacia Virtual –, o proprietário também pode e é orientado a registrar a perda do aparelho na plataforma Celular Seguro, do governo federal, que foi criada para facilitar a localização e bloqueio de acesso ao telefone.

Notícias relacionadas