Morre Geninho, ex-funcionário da escola Almirante Lamego

Geninho trabalhou por 35 anos na escola e mesmo após aposentado, seguiu como voluntário na escola. Dizia que viver nos corredores era uma oportunidade de conhecer e fazer novos amigos, o que o fez ser homenageado várias vezes em formaturas de estudantes do colégio.
Arquivo pessoal

Ex-funcionário da escola Almirante Lamego (antigo Ceal), Igenisval Eufrázio, mais conhecido como Geninho, morreu nas primeiras horas deste sábado, 27. Ele tinha 83 anos.

Natural de Jaguaruna, onde nasceu em abril de 1940, veio morar com oito anos no Farol de Santa Marta. Na comunidade, foi pescador até meados de 1978, quando se mudou para o Centro, em razão do emprego da esposa, a professora Terezinha.

“A então diretora da escola, a saudosa Maria de Lourdes Barros, comentou que estavam precisando de um analista técnico educacional, que em outras palavras é o bedel da escola. Fui convidado e prontamente aceitei o desafio”, relembrou em entrevista ao Jornal de Laguna, em 2007.

Geninho trabalhou por 35 anos na escola e mesmo após aposentado, seguiu como voluntário na escola. Dizia que viver nos corredores era uma oportunidade de conhecer e fazer novos amigos, o que o fez ser homenageado várias vezes em formaturas de estudantes do colégio.

“Hoje o dia amanheceu triste. A família Ceal perdeu uma das suas mais ilustres figuras, Seu Geninho. Quem não passou pela escola e encontrou essa pessoa tão dedicada ao seu trabalho e amorosa com todos à sua volta, perdeu uma parte da história dessa escola. Sua lembrança em nossas vidas será eterna”, lamentou a escola em uma rede social. Em 2011, graças ao trabalho junto ao Movimento Negro local, foi um dos homenageados pela União Operária.

O casal Geninho e Terezinha teve três filhos: Daniel, Claudete e Ivonete. “Não consigo descrever a pessoa que você foi e a falta que você vai fazer. Exemplo de caráter, retidão, fé. Marido e pai exemplar. Esse último mês foi difícil, ver você sofrendo, não foi fácil. Queria que você voltasse para casa comigo, mas Deus quis você com ele”, disse Claudete.

Segundo a família, o velório ocorre na capela mortuária da Funerária Cristo Rei, próxima à escola em que ele trabalhou. O sepultamento será às 17h, no Cemitério Municipal da Cruz.

Notícias relacionadas