Ossos de baleia irão para acervo de unidade especializada em fauna marinha, em Laguna

A baleia se assemelha anatomicamente às baleias rorquais do gênero Balaenoptera (provavelmente seria uma minke), mas sua identificação ficou totalmente comprometida pela decomposição. 
Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,372 visualizações,  4 views today

Sem ter muito o que fazer devido ao avançado estado de decomposição da carcaça de uma baleia encontrada encalhada na praia da Ribanceira, em Imbituba, na última sexta-feira, 12, o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), coordenado pela Udesc em Laguna, informou que recolheu algumas amostras do animal.

A baleia se assemelha anatomicamente às baleias rorquais do gênero Balaenoptera (provavelmente seria uma minke), mas sua identificação ficou totalmente comprometida pela putrefação.

O PMP-BS coletou amostras de tecido para análises genéticas e recolheu a coluna vertebral e alguns ossos para a coleção científica da Unidade de Estabilização da Fauna Marinha, da Udesc. Restos de gordura e pele foram enterrados devidamente como determina o protocolo de emalhes e encalhes da APA da Baleia Franca.

Sobre o PMP-BS

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no polo pré-sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Caso encontre algum animal marinho vivo ou morto, entre em contato com o projeto pelo telefone 0800 642 3341.