Prefeito veta lei da lista de imunizados contra Covid e anuncia que irá enviar projeto semelhante para Câmara

Ahmad alegou disposições contraditórias no texto, que vão de encontro à legislação vigente, além de criar obrigações ao município com prazos de difícil execução, segundo justificativa que acompanha a mensagem. Entre os pontos questionados estão os dados pessoais dos vacinados que deveriam ser divulgados. 
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 3,180 visualizações,  4 views today

O projeto de lei aprovado pela Câmara de Vereadores de Laguna que previa a divulgação diária de uma lista com as pessoas vacinadas contra o coronavírus na cidade foi vetado pelo prefeito Samir Ahmad (PSL), segundo comunicação enviada ao Legislativo no início da semana. A mensagem de veto foi lida na última terça-feira, 13, e deve ser votada em turno único na próxima sessão, dia 20. Até o momento, 6,2 mil pessoas já foram vacinadas entre idosos e grupos como profissionais de saúde e de segurança pública.

A proposta foi apresentada em fevereiro pela vereadora Nádia Tasso Lima (DEM), com apoio de Kleber Roberto Lopes (PSL) e Rhoomening Rodrigues (PSDB). Ahmad alegou disposições contraditórias no texto, que vão de encontro à legislação vigente, além de criar obrigações ao município com prazos de difícil execução, segundo justificativa que acompanha a mensagem. Entre os pontos questionados, estão os dados pessoais dos vacinados que deveriam ser divulgados.

“Percebe-se que vários dados pessoais constam da lista. Ocorre que, nos termos do artigo 5º e incisos da Lei Federal nº 13.709/2018 – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, referidos dados, por estarem associados à vacinação e à saúde dos titulares, devem ser considerados como dados pessoais sensíveis, os quais exigem uma proteção diferenciada e mais rigorosa”, diz a justificativa. “[O artigo 2º] não dá nenhuma proteção aos dados pessoais sensíveis. Pelo contrário, determina que sejam disponibilizados os nomes completos das pessoas imunizadas, seus números de cadastro na unidade básica de saúde e os números pessoais do cartão do SUS, o que vai nitidamente de encontro à legislação”, observa.

O prefeito também apontou que a divulgação da lista às 19h, diariamente, é inviável. “Muitas vezes a vacinação ocorre aos finais de semana e ultrapassa o referido horário, sendo impossível, ou no mínimo muito dificultoso atualizar a lista diariamente. Ademais, é de se salientar que a Secretaria de Saúde está com seu quadro reduzido, sendo que a execução da listagem, é quase certo, demandaria na necessidade de horas extras na jornada de trabalho dos servidores, o que, consequentemente, geraria mais gastos para o município, cuja situação financeira, como é sabido, não é das melhores, principalmente em razão dos precatórios não pagos pela gestão anterior”, justifica.

Ahmad registra no veto que a proposta é louvável e adianta que a prefeitura encaminhará um novo projeto de lei, semelhante, com as correções apontadas pelo setor jurídico do Executivo, para viabilizar lista dos imunizados.