Lagunenses têm carga de 1,5 tonelada de camarão apreendida por transporte irregular no RS

Divulgação/PRF-RS
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 720 visualizações,  4 views today

Mais uma tonelada e meia de camarão transportada sem as condições mínimas de higiene foi apreendida pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Rio Grande do Sul em um veículo de Laguna. É a segunda vez em dois dias que isso ocorre.

De acordo com a PRF-RS, a apreensão ocorreu durante policiamento ostensivo na BR-116, em Guaíba, cidade da região metropolitana de Porto Alegre. A iguaria era transportada em uma Fiat Ducato, de Laguna, e estava acondicionada sem refrigeração adequada. Além disso, a nota fiscal foi adulterada.

O motorista tem 38 anos e a passageira, 33, eles também são de Laguna e relataram aos policiais que transportavam a carga de São José do Norte até a cidade juliana, onde iria ser comercializada. O pescado foi apreendido e encaminhado ao Ibama, já os envolvidos foram levados para a sede da polícia judiciária local.

Ainda pela manhã, cerca de 30 minutos depois, outra Fiat Ducato foi abordada pelos agentes. A van, emplacada em Navegantes, estava carregada com mais 560 quilos de camarão e, igualmente, não estavam armazenados com refrigeração adequada e não tinham a nota fiscal. Os ocupantes disseram que pescaram a iguaria em São Lourenço do Sul (RS) e que venderiam em Santa Catarina. O camarão foi levado para o Ibama e o condutor responderá a um termo circunstanciado de ocorrência.

Quase meia tonelada

Já na noite de terça-feira, 2, uma outra caminhonete de Laguna havia sido abordada nas mesmas circunstâncias em Eldorado do Sul (RS), na BR-290. O camarão era armazenado na caçamba do veículo, sem as condições mínimas de higiene. A iguaria havia sido pescada pelo condutor, 58 anos, em Rio Grande (RS) e seria comercializada em Criciúma, já em Santa Catarina.

Quando guardado sem refrigeração ou em condições precárias, o pescado se torna impróprio para o consumo humano, oferecendo risco ao consumidor final e isso gera a apreensão.

Divulgação/PRF-RS