Foto: Hector Candemil / Agora Laguna

Moradores da região de Barbacena realizam uma manifestação em um dos trechos das obras do acesso Norte. A ideia é chamar a atenção da Ferrovia Teresa Cristina (FTC) para o descontentamento devido a um pequeno trecho de 34 metros junto a linha férrea ficar sem asfalto.

Pneus foram colocados sob os trilhos. A Polícia Militar acompanhou o ato que aconteceu de forma pacífica.

Apesar de em outras cidades, como Capivari de Baixo e Tubarão, terem estradas onde o asfalto é aplicado junto à linha férrea, sem necessidade de continuar com o trecho sem pavimentação, isso não poderia ser feito em Laguna, segundo a FTC. A ferrovia considera o trecho como um pátio de manobra.

“Nenhuma das passagens citadas situa-se em um pátio de manobra com mais de uma linha férrea como em Barbacena. Algumas passagens existentes com uma única linha, que estão consolidadas há muito tempo, estão sendo melhoradas e outras que oferecem riscos aos transeuntes estão sendo eliminadas”, explicou a ferrovia, em resposta a questionamentos feitos pela reportagem.

A concessionária disse que “entende que a obra é importante para o desenvolvimento da região, mas se obriga, pelo que está estabelecido no contrato de concessão firmado com a União, de salvaguardar a segurança da operação ao longo de toda malha ferroviária”. A FTC aponta também que mantém contato permanente com a prefeitura sobre a situação.

“Está se estudando junto ao município contratar um projeto de uma passagem superior (viaduto) para resolução da questão, a exemplo do que existe, atualmente, no entroncamento da SC-436, atual acesso principal de Laguna”, adiantou a FTC. O prefeito Mauro Candemil (MDB) refuta a possibilidade. “É um verdadeiro absurdo”, dispara. “Ter que fazer um viaduto que custa em torno de R$ 15 milhões… a prefeitura não tem esse recurso, nem o governo estadual, nem o federal. É um valor muito expressivo”.

De acordo com Candemil, apenas a faixa de segurança no entorno dos trilhos não será asfaltada, para evitar penalidade judicial. “Fica mantido o terreno natural, condição que a FTC nos fez – um absurdo […] [mas] temos que respeitar. Infelizmente, acho que poderia autorizar aquele trecho e fazer as medidas de contenção”.

Foto: Hector Candemil / Agora Laguna