ICMS mais caro refletirá na gasolina e gás de cozinha

Aumento foi aprovado em outubro pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), representando o primeiro reajuste após mudança do modelo de cobrança sancionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), em março de 2022.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna/Arquivo (2018)

Com o aumento do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tributo cobrado pelos estados, a partir desta quinta-feira, 1º, ficará mais caro abastecer o veículo e comprar gás de cozinha.

Na maior parte dos casos, os estados elevaram as alíquotas gerais de 18% para 20%. Como os combustíveis seguem um sistema diferente de tributação, os reajustes serão com valores fixos em centavos.

O aumento foi aprovado em outubro pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), representando o primeiro reajuste após mudança do modelo de cobrança sancionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), em março de 2022.

Antes, o imposto incidia conforme um percentual do preço total definido por cada unidade da federação. Agora, o imposto é cobrado conforme um valor fixo por litro, no caso da gasolina ou do diesel, ou por quilograma, no caso do gás de cozinha.

Segundo o Confaz, o ICMS da gasolina terá alíquota de R$ 1,37 por litro; o diesel, de R$ 1,06 por litro; e o gás de cozinha, de R$ 1,41 por quilo.

Notícias relacionadas