Biguá encontrado com anel de plástico no pescoço é resgatado e tratado

Biguá está em observação e em isolamento. A medida visa minimizar o estresse e proporcionar um ambiente adequado para sua recuperação segura e eficaz.
Divulgação/Labzoo

Um biguá (Phalacrocorax brasilianus) foi resgatado na praia do Mar Grosso, na região da praça do Villa, com um anel de plástico em volta do pescoço. O animal foi encontrado no último dia 15 e recebe tratamento pelas equipes de monitoramento de praias.

Segundo a instituição, mesmo lesionado, o animal estava ativo e responsivo. O anel de plástico não provocava asfixia, mas bloqueava a ingestão de alimentos.

Ele passou por um trabalho de remoção cuidadosa dos corpos estranhos, limpeza de ferimentos e foi submetido a tratamento com analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos e suplementação de vitaminas e minerais. O biguá está em observação e em isolamento. A medida visa minimizar o estresse e proporcionar um ambiente adequado para sua recuperação segura e eficaz.

O que fazer ao encontrar animal marinho vivo ou morto

Em casos como esse, o ideal é acionar o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). O órgão é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no polo pré-sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos. Caso encontre algum animal marinho vivo ou morto, entre em contato com o projeto pelo telefone 0800 642 3341.