Quase 30 pinguins são encontrados sem vida entre Laguna e Imbituba

Segundo o PMP-BS, os animais estavam entre Laguna e Imbituba e foram achados no último domingo, 1º. O projeto informou que a viagem migratória traz dificuldades para eles se alimentares, consequentemente perdem peso, ficam fracos e a impermeabilização das penas fica prejudicada, o que provoca hipotermia e os faz ficar vulneráveis a outros predadores.
Divulgação/PMP-BS/Udesc
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 2,396 visualizações,  4 views today

Em apenas um dia de atividade, o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) encontrou 27 pinguins (Spheniscus magelanicus) sem vida após viagem longa de migração a partir da Patagônia, na Argentina. Uma das prováveis causas se dá pelo fato de as aves serem jovens e inexperientes e por vezes, acabam se perdendo de seus grupos, fato que muitas vezes resulta na interrupção da viagem por doença, fome ou morte.

Segundo o PMP-BS, os animais estavam entre Laguna e Imbituba e foram achados no último domingo, 1º. O projeto informou que a viagem migratória traz dificuldades para eles se alimentares, consequentemente perdem peso, ficam fracos e a impermeabilização das penas fica prejudicada, o que provoca hipotermia e os faz ficar vulneráveis a outros predadores.

Outros fatores que contribuem são adversidades antrópicas como causa da morte de alguns desses animais. A interação humana, mesmo sem ser intencional, acaba interferido. No caso dos animais marinhos, o projeto cita como exemplo, a utilização de as redes de pesca, sejam costeiras, industriais e muitas vezes, as redes fantasmas, estas últimas que flutuam aleatoriamente pelos mares causando emalhes acidentais.

O PMP-BS também divulgou que possui equipe de prontidão para atendê-los ou para fazer a necropsia e tentar descobrir o que causou a morte. “Acreditamos que descobrir a causa da morte nos torna mais conhecedores da fauna marinha, que tem um papel importante no fornecimento de oxigênio e no ciclo da água, além de que, conhecimento de causa abrange a proteção da nossa biodiversidade”, informou.

Previous
Next