Nova rota turística religiosa regional inclui Santo Antônio e Nossa Senhora da Glória

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 348 visualizações,  4 views today

Santa Catarina passou a ter uma nova rota turística para explorar no Sul do estado. No final do mês de outubro foi sancionada a lei que cria os Caminhos da Beata Albertina para fomentar o turismo religioso, abraçando as cidades de Laguna, Imaruí, São Martinho, Gravatal e Tubarão.

O projeto foi apresentado no fim do ano e tramitou até este outubro quando foi aprovada em plenário pela Assembleia Legislativa (Alesc). A ideia é alavancar a economia regional nesse setor, a partir do Santuário da Beata Albertina, em Imaruí, que movimentava mais de cinco mil visitantes mensais, antes da pandemia.

A criação da rota considera as vocações econômicas e religiosas locais para estimular investimentos que agreguem valor e competividade aos produtos e serviços locais, divulgar os eventos oficiais e pontos turísticos religiosos dos municípios pertencentes à rota e manter viva as culturas típicas italiana, alemã e açoriana encontradas na região.

A igreja de Santo Antônio começou a ser erguida em 1696, em estilo toscano, sem as duas torres, erguidas no século XX. A festa religiosa do padroeiro é considerada uma das principais do Sul de Santa Catarina.

A cidade de Laguna aparece com dois pontos turísticos na rota. A Igreja Matriz de Santo Antônio do Anjos, destacada no itinerário por ter a Capela do Santíssimo. A inclusão aconteceu pelo templo lagunense ter aquele que é considerado o mais belo altar da arquitetura de Santa Catarina, além de possuir uma relíquia de Santo Antônio e a famosa tela de Nossa Senhora da Conceição, do pintor Victor Meirelles.

O outro local é o mirante de Nossa Senhora da Glória, com destaque para a estátua de 14 metros, inaugurada em 1953, no alto do morro que leva o nome da santa. O roteiro turístico é composto, ainda, pelos seguintes locais:

  • Gruta do Martírio e Memorial de Albertina, em Imaruí
  • Santuário Sagrado Coração de Jesus e Igreja Santo Antônio, em Gravatal;
  • Igreja Matriz São João Batista, em Imaruí
  • Catedral Diocesana, em Tubarão
  • Igreja São José Operário, em Tubarão
  • Igreja Matriz São Sebastião de Vargem do Cedro, Igreja Matriz Cristo Rei e Gruta Nossa Senhora de Fátima, em São Martinho

“A delimitação foi feita a partir das principais festas dos santuários e igrejas pertencentes à rota e seus pontos turísticos”, explica o deputado estadual Volnei Weber (MDB), autor da proposta, sobre as escolhas dos locais para integrarem a rota. “Os Caminhos da Beata Albertina farão com que os turistas venham para a região e, consequentemente, conheçam e consumam nos municípios pertencentes à rota”, completa o parlamentar.

Nossa Senhora da Glória – Foto: Hector Candemil/Divulgação

Turismo vê criação de rota como positiva

“Nossa região é muito rica no turismo religioso, mas não é valorizada. O projeto para a encomia da região vai ser muito bom”, afirma a guia de turismo Tatiana Haubrich, presidente da associação de guias de Laguna. Ela cita como exemplo a cidade de Nova Trento (cerca 193 km de Laguna), na Grande Florianópolis, que tem no turismo religioso a sua principal fonte de renda.

A guia analisa que ao envolver esses municípios da região em torno da religiosidade, o trade turístico terá muito a ganhar. “Traz de volta aquele turismo religioso que tínhamos no passado”, sustenta. A mesma avaliação é feita pelo secretário de Turismo de Laguna, Evandro Flora.

“Super importante que se crie roteiros para que os turistas permaneçam vários dias na região, geração de renda, empregos e qualidade de vida. Os turistas também terão a oportunidade de conhecer e viver nossa história e cultura, bem como desfrutarem das nossas belezas naturais”, diz o gestor.

A ideia é que agora, os entes turísticos articulem ações conjuntas com governo do Estado, prefeituras, associações de municípios e conselhos municipais de turismo, para tirar os Caminhos de Albertina do papel.

Além desse novo itinerário de turismo, a cidade juliana está inclusa em uma outra rota turística, a da Baleia Franca, descrita como um destino turístico inteligente que integra os municípios de Garopaba, Imbituba e Laguna, através do litoral praiano.

Cidade ‘italiana’ em SC é exemplo de turismo religioso

De colonização italiana, o município de Nova Trento é reconhecido nacionalmente pelo fato de a primeira santa brasileira, Santa Paulina, ter iniciado a vida religiosa no local, onde morou de 1875 a 1903. A cidade, que fica a menos de 90 quilômetros de Florianópolis, foi uma das primeiras em Santa Catarina a aprender a usar o turismo religioso como mola propulsora da economia local, e é reconhecida por ser o único do país, sem ser capital, que possui dois santuários: Santa Paulina e Nossa Senhora do Bom Socorro.

De acordo com dados fornecidos à reportagem pelo secretário de Cultura e Turismo, Sálvio Osmar Tonini, a atividade turística representa cerca de 10% da renda econômica neotrentina, com presença muito considerável de empresários enquadrados na categoria de microempreendedor individual. “O fator religiosidade tem sido o grande indutor para a presença do turista, aliado ainda à questão cultural e gastronômica trentino-italiana”, comenta o gestor.

Essa é a mesma visão do empresário do ramo de alimentação e hospedagem, Agostinho Orsi, que é presidente da Associação Neotrentina de Turismo (Neotur), entidade representativa do trade turístico da cidade. Ao Agora Laguna, ele afirmou que quando se fala em turismo, é necessário haver um produto para ser vendido e reconheceu que a região de Laguna terá o mesmo conteúdo a oferecer que Nova Trento.

Orsi considera fundamental que as cidades unam o turismo tradicional, como a valorização da cultura e o patrimônio histórico dos municípios, ao novo nicho turístico criado. Ao mesmo tempo, o empresário orienta que as forças públicas, em especial as prefeituras com o fornecimento da infraestrutura (como sinalização) e empresariais (para o fortalecimento) também se juntem para o desenvolvimento do setor. “Não pode ficar só no projeto”, frisa.

Aproximadamente 96,53% dos turistas são provenientes do Sul, 2,79% do Sudeste e, apenas, 0,68% de outras regiões do Brasil. Quanto aos estados de origem, observa-se que 90,27% dos visitantes são provenientes do próprio estado. Paraná corresponde a cerca de 4% do total, seguido por São Paulo (2,67%) e Rio Grande do Sul (2,09%). Dos visitantes internacionais, destacam-se os países de: Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Itália. – Dados da Secretaria de Turismo de Nova Trento

Nesse contexto, Sálvio Tonini garante que há quatro anos a cidade vem fazendo projetos como a criação de um plano municipal de desenvolvimento do setor e a reativação do Conselho Municipal de Turismo. A Lei Orgânica da cidade também fixa como responsabilidade do poder público municipal a promoção turística. “O desenvolvimento de parcerias público privadas também vem se tornando um instrumento de grande importância para o desenvolvimento da atividade turística de Nova Trento”, aponta.

Afetado duramente pela pandemia do novo coronavírus, já que o principal público do setor são as pessoas de terceira idade e que, ao mesmo tempo, são um dos grupos mais suscetíveis à contaminação pelo vírus, o turismo religioso dá sinais de recuperação com a volta gradual das atividades. “É o setor que mais cresce diariamente, é permanente”, observa Orsi.

O empresário conclui a entrevista cedida a Agora Laguna, analisando que a nossa região tem grandes chances de replicar o sucesso que o município de Nova Trento conseguiu com o turismo religioso. “Toda a nossa região foi beneficiada com o santuário. Desde o homem que vende picolé ao taxista, a empresa de ônibus… a cidade de Brusque, o nosso vale todo. Eles param em pousadas, aproveitam a gastronomia. Tenho certeza que vocês [região de Laguna], só tem que fazer a coisa certa e tenho certeza que vai dar certo”, prevê Agostino Orsi.

Divulgação