Arquivo pessoal

Rir foi o melhor remédio encontrado por Ângelo Junior para fugir das dificuldades e tristezas que desde cedo a vida lhe impôs. Aos treze anos de idade, o morador do bairro Ponta de Laranjeiras, em Pescaria Brava, perdeu a mãe e depois seu único irmão, e conseguiu transformar a dor da despedida em alegria para seguir em frente.

Essa criatividade ágil para converter as situações do dia a dia, do trabalho, da família, ajudou ele a entrar para o aplicativo TikTok, produzindo vídeos humorísticos. A plataforma de vídeos existe desde 2016, que ganhou muito mais repercussão neste ano durante a pandemia do novo coronavírus, quando muitas pessoas começaram a criar contas nela como passatempo, incluindo Ângelo.

O que era apenas uma brincadeira atraiu muitos seguidores. “Meu vídeo mais assistido possui 5 milhões de visualizações e as lives alcançam um público de aproximadamente 400 pessoas, que fielmente me assistem, conversam e se divertem por algumas horas”, diz o tiktoker bravense.

Atualmente, são quase 76 mil usuários de várias partes do globo acompanhando os vídeos, que já renderam cerca de 390 mil curtidas. “As gargalhadas ao seu lado sempre estão garantidas”, complementa a esposa Gabriela Fernandes.

No começo, relata, ela não curtiu muito a ideia, mas depois que o passatempo foi evoluindo, garante que viu um grande potencial no marido e inclusive começou a fazer parte de alguns dos vídeos, emprestando a voz e até aparecendo em alguns deles. O filho do casal, de dois anos, também já estrelou algumas das gravações. “Os vídeos feitos pelo Júnior são bem naturais, engraçados e gostosos de assistir”, observa.

Vídeos como terapia: ‘Novo recomeço’

Nas últimas semanas, os risos porém foram substituídos por uma desanimação. Ângelo sofre de depressão e tem diagnóstico da síndrome de borderline. “Isso o leva à cama, fazendo-o desistir de muitos dos seus objetivos”, conta a esposa. O eletricista deixou as gravações de lado. “Decidi parar por algum tempo, pois estava me sentindo esgotado e sobrecarregado com tantos afazeres, pois conciliar família, trabalho e rede social estava se tornando um problema”, justifica.

Mas ao que tudo indica a pausa deve ser temporária. Muito religioso, o tiktoker diz que tem visto nos vídeos uma forma de falar um pouco com Deus e também de ajudar outras pessoas na mesma situação que a dele, sem esquecer do humor, raiz dos seus conteúdos.

“Muitas coisas aconteceram e mudaram meus pensamentos, mostrando um novo recomeço e um novo caminho: apostar nos conteúdos relacionados à Deus e ao lado do bem de uma forma geral, conduzindo ainda mais pessoas ao caminho do céu”, finaliza. Os vídeos produzidos pelo bravense podem ser conferidos aqui.

TikTok 

Aplicativo que ganhou popularidade a partir de agosto de 2018, quando incorporou o Musical.ly, o TikTok permite a gravação de vídeos rápidos, quase sempre de dublagens musicais, danças, clipes ou cenas de humor. Dados mais recentes, divulgados em setembro, apontam a plataforma como a mais baixada do mundo em celulares Android e iPhone (iOS) com um total de 61,1 milhões de downloads. Do montante, 6,7 milhões foram de usuários brasileiros.

O app lembra muito uma rede social, já que os usuários podem seguir os perfis uns dos outros, curtir, comentar e compartilhar publicações. A criação de uma conta é simples, e requer apenas o uso do e-mail ou dados do Facebook, Google ou Twitter.