Laguna registra maior número de baleias nesta temporada

Foto de arquivo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 240 visualizações,  12 views today

Ao contrário do que foi observado nos últimos anos, as baleias-francas austrais têm se concentrado nesta temporada na região das praias de Laguna, entre Gi e Farol de Santa Marta. Isso varia de ano-a-ano, pois os cetáceos possuem comportamentos singulares e isso pode gerar maior acúmulo delas em regiões específicas.

Em 2019, a maior concentração de baleias foi em Imbituba, na região da praia da Ribanceira – no ano foram 52 cetáceos monitorados entre Passo de Torres e Florianópolis. “Esse ano estão com um padrão diferente de ocorrência. Pra saber o que isso significa, precisamos chegar ao final da temporada e comparar com os anos anteriores para entender”, explica a pesquisadora diretora do Instituto Australis, Karina Groch.

Anualmente, as austrais migram da Antártida buscando águas mais quentes e calmas para parir, amamentar e cuidar dos filhotes. As gigantes ficam mais concentradas nas cidades de Laguna, Imbituba e Garopaba, que foram o núcleo econômico-turístico denominado Rota da Baleia Franca.

Outra razão para a quantidade de baleias que vem para o litoral Sul é explicado em uma pesquisa científica feita por Karina. O estudo comprova que a quantidade de cetáceos está relacionada à quantidade de alimento disponível na Antártida. Esses mamíferos se alimentam de um crustáceo conhecido como Kril, disponível em sua região de alimentação e a disponibilidade destes tem sofrido variações a cada ano.

“Sabemos que quanto mais alimento mais baleias vem pra cá, mas isso não tem necessariamente reflexo imediato no mesmo ano, e sim em anos subsequentes, pois interfere na possibilidade da fêmea engravidar, nos anos seguintes”, detalha Groch.

Monitoramento 

Vários grupos de pesquisadores tem acompanhado diariamente o aparecimento de baleias na região e cada avistamento impressiona e, em alguns casos, causa surpresa. Na última semana, Sther Pessoa, do Laboratório de Zoologia (Labzoo) da Udesc, precisou “correr” atrás do cetáceo para registrá-lo bem próximo do Molhes.

“Estávamos fazendo nosso monitoramento no Mar Grosso e avistamos dois grupos próximos ao posto 2. Um dos grupos começou a se aproximar do Molhes da Barra e eu fui ‘atrás’ de bicicleta. Era um indivíduo adulto e estava sozinho, se deslocando em velocidade constante mas em alguns momentos foi possível observar as exposições de nadadeiras. Ficou pouco tempo próximo as pedras e depois se afastou”, comenta.

Em paralelo, o Instituto Australis tem desenvolvido o projeto ProFranca, com apoio da estatal Petrobras. A pandemia, porém, adiou a vinda dos estagiários selecionados para atuar no monitoramento diário, que foi iniciado só na última semana. De terça à sábado, eles atuam nas praias de:

Laguna: Farol de Santa Marta e Praia do Gi

Imbituba: Praia da Ribanceira, Praia do Porto, Praia da Vila, Itapirubá e Praia do Rosa

Garopaba: Praia da Gamboa

Palhoça: Guarda do Embaú e Pinheira.