Eleições 2020: PT pode ser vice após quase 30 anos

Editoria de arte
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 152 visualizações,  4 views today

Fora da prefeitura desde 2013 e sem vereador há quatro anos, o PT tenta voltar ao Executivo, apostando no saudosismo como mecanismo de conquista de eleitores para o pleito de novembro. “O PT tem bom espaço no município e tem história”, destaca o presidente Nivaldo Rodrigues.

Em entrevista ao Portal Agora Laguna, o dirigente explicou que o partido voltou a construir uma unidade em torno da sigla e que isso tem auxiliado no planejamento para novembro. “O partido tem conversado com os filiados e estamos construindo uma boa chapa tanto na majoritária, quanto na proporcional”, diz. Assista à entrevista completa acima.

Apesar de já ter consenso em nome de Tanara Cidade como pré-candidata à prefeita, Rodrigues confirma que o partido mantém conversas com partidos, como o Solidariedade, e que pode vir a ser vice. “Queremos uma coligação para defender o município, não importa se iremos de cabeça de chapa ou de vice”, afirma. A última vez que o PT não encabeçou chapa foi em 1992, quando se coligou ao PDT e ao PSDB. Atualmente, há 570 filiados na sigla.

PT disputa eleição desde 1988

Walter Tavares foi o primeiro nome que o PT lançou como candidato à prefeitura de Laguna, em 1988. A eleição marcou a estreia do partido no cenário político local e aconteceu oito anos depois de sua criação. O candidato obteve 374 votos e não chegou a ser eleito, assim como os nomes apresentados à vereança. Para o Legislativo, foram 507 votos (somando legenda).

Quatro anos depois, o partido concorreu como vice na chapa de Zeno Alano (então no PDT), em coligação que tinha ainda o PSDB como integrante – a chapa teve 5.589 votos. Naquele ano de 1992, o PT fez o primeiro vereador da história: Maximiliano Neves Silva. Na Câmara, 1.166 eleitores confiaram seu voto à sigla.

Em 1996, coligado com o PCdoB, os petistas lançaram à prefeitura, o nome de Júlio Willemann, que teve 945 votos, não sendo eleito. Sem eleger nenhum vereador, a legenda somou 1.204 votos.

No início do novo milênio, o PT voltou a lançar candidatura própria na eleição. Francisco Vieira Silveira foi o representante da legenda e somou 1.229 votos. Na Câmara, foram obtidos 2.864 votos. Dois vereadores conquistaram vaga no Legislativo.

Já em 2004, o PT chegou à prefeitura com a eleição de Célio Antônio, apoiado por PTB, PP, PSDB e PPS. A coligação petista fez 14.761 votos. Um vereador foi eleito pelo partido, que alcançou 4.964 votos totais para a Câmara.

Antônio foi reeleito em 2008, com 14.837 votos, em coligação que teve PP, PRB, PSB e PTB integrando. O partido conseguiu eleger apenas uma vereadora e somou nesta eleição o total de 5.072 votos para Legislativo. Dois anos depois, a bancada seria ampliada com a cassação da então vereadora Jussalva Mattos (PSB), que abriu caminho para a posse de José Paulo Ramos na casa.

Em 2012, o PT tentou se manter na prefeitura, indicando Tanara Cidade à sucessão de Célio Antônio. A chapa, composta por PR e PRB, fez 8.917 votos para o Executivo e somou 3.960 votos para a Câmara. Um vereador foi eleito.

Quatro anos atrás, os petista indicaram Tanara novamente à eleição. O partido, coligado com PDT e PR, fez 7.034 votos. Nenhum edil foi eleito e a sigla obteve 798 votos totais para a Câmara.

Histórico de vereadores eleitos pelo PT*

1992: Maximiliano Neves Silva

2000: Célio Antônio e Júlio Willemann

2004: Júlio Willemann

2008: Tanara Cidade de Souza

2012: José Luiz Siqueira

*A relação não considera eventuais troca de partido ou cassações de mandato.