Alunos e egressos da Udesc Laguna buscam resgatar valor histórico do ladrilho hidráulico

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 544 visualizações,  8 views today

Alunos e egressos do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro de Educação Superior da Região Sul (Ceres), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), realizaram pesquisa científica para descobrir a relação entre os ladrilhos hidráulicos encontrados nas edificações de Laguna com o Centro Histórico tombado da cidade.

Iniciada em 2015, a pesquisa foi idealizada pelo acadêmico Indio de Azevedo Vignes e visa trazer contribuições para a gestão e a conservação do patrimônio cultural brasileiro.

“Ao voltar do intercâmbio realizado na França, percebi que havia uma lacuna nas fontes teóricas sobre ladrilho hidráulico no Brasil e que este elemento poderia ser um vetor de valorização do patrimônio arquitetônico de Laguna”, afirma o estudante.

A constatação de Vignes foi o ponto de partida para a formação de um grupo de estudos com os hoje egressos Amanda Godinho Dal Molin, Deborah Lurdes Triches Acordi, Francielen Vieira Meurer e João Paulo Mota.

A iniciativa de Arquitetura e Urbanismo também conta com a estudante Isadora Cristina Cardoso. Além disso, a fase inicial do trabalho teve colaboração da professora Ana Carolina Vicenzi Franco.

Etapas

O projeto foi dividido em três etapas. A primeira delas, que está sendo concluída, consiste em realizar uma pesquisa científica para descobrir a relação entre os ladrilhos hidráulicos e o centro histórico tombado de Laguna. Confira a pesquisa.

A segunda etapa prevê a criação de um atelier para a fabricação de ladrilhos hidráulicos, com o apoio da Prefeitura de Laguna, da Udesc e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A ideia é resgatar e preservar a técnica para a produção na cidade.

A terceira etapa pretende contar com a participação de artistas gráficos nacionais no projeto. “Para que eles reinterpretem o ladrilho, atualizando os desenhos do elemento no tempo. A releitura permite valorizar o ladrilho hidráulico, como alguns artistas modernos já o fizeram”, explica Vignes.

Resultado da primeira fase

Entre as descobertas da primeira etapa, foi identificada a existência de uma fábrica de ladrilhos hidráulicos em Laguna, que esteve em atividade na década de 1970. “Da qual não se tinha registros, nem mesmo no Iphan”, conta o idealizador do projeto.

Através da pesquisa, o grupo conseguiu contatar o último ladrilheiro de Laguna, o artesão Eloir Machado, em encontro que gerou um videodocumentário.

O trabalho realizado até agora pelo grupo resultou em uma base de dados de 3.121 fotografias de alta resolução, produzidas em 664 visitas às propriedades do Centro Histórico de Laguna.

A partir da investigação, pretende-se publicar, em forma de catálogo, os resultados encontrados, contribuindo para identificação, documentação, difusão e preservação do patrimônio material da cidade.

Apresentação na França

Em 2018, a pesquisa foi apresentada por Vignes no Centro Internacional de Construção e Patrimônio (CICP), na cidade de Viviers, na França.

O evento foi prestigiado pelo professor emérito da Universidade de Aix-Marseille, Yves Esquieu, que é o autor do livro “Une Historie du Carreau-mosaïque: de la couleurs dans la Maison” e destacou a qualidade metodológica de captação dos dados da pesquisa.