Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

Às vésperas da segunda noite de apresentações musicais do Réveillon, organizadas pela prefeitura de Laguna, a empresa paranaense, que sublocou um trio do Rio Grande do Sul, declarada vencedora da licitação foi desclassificada neste domingo, 29, e desmontou a estrutura. A administração contratou emergencialmente o Trio Treme Terra, da empresa Anjo Som, de Laguna, que ficou em terceiro lugar no certame e assumiu o comando da festa a partir desta noite.

A decisão aconteceu após uma vistoria pela Secretaria de Turismo e Lazer feita ainda na noite de sábado, 28, e foi tomada pela pasta de Administração, Finanças e Serviços Públicos, em conjunto com o jurídico da prefeitura. A informação foi divulgada inicialmente pelo Portal Infosul e confirmada pelo Agora Laguna.

“Ontem (sábado) eles terminaram de montar todo o trio, nós fizemos a vistoria e faltaram algumas coisas”, disse o secretário municipal de Turismo e Lazer, Evandro Flora, em entrevista na tarde deste domingo, ao Portal. Em nova conversa com a reportagem, durante a troca de trios elétricos, o gestor acrescentou que manteve conversas com o proprietário da empresa contratada em que o empresário se comprometia em entregar tudo o que estava previsto na documentação entregue.

Trio Treme Terra foi acionado emergencialmente para fornecer sonorização na noite de domingo – Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

Segundo Flora, 24 itens que faltaram ou estavam irregulares foram apontados pela vistoria. Entre os equipamentos faltantes estavam microfone, mesa de som digital, e retorno de som. A empresa deve ser multada e sofrer sanções administrativas, podendo ficar sem direito a participar de licitações em Laguna por cinco anos, além de não receber pagamento pelo único dia trabalhado.

A proprietária do trio foi a segunda colocada no certame – a que apresentou o melhor preço para levar a licitação foi desqualificada por falhas documentais. O gestor do Turismo e Lazer detalhou à reportagem de Agora Laguna, que, diante da situação, ficou evidenciado que a empresa teria apresentado uma documentação de um trio diferente do que foi montado na orla da Praia do Mar Grosso, na região da Praça Nelson Moreira Netto (a praça do Villa).

“Esse trio que foi o segundo colocado foi desclassificado por não cumprir o objetivo que foi contratado […] Hoje, o Treme Terra vai tocar e nós estamos tomando providências, estão chegando outros equipamentos [palco] para a virada do ano. Estamos tomando todas as medidas para que a cidade não seja prejudicada”, comenta a secretária de Finanças, Administração e Serviços Públicos, Luciana Fernandes Pereira. A gestora confirma que a empresa apresentou documentação diferente do trio trazido à Laguna e detalhou ainda que a vinda do trio da empresa Anjo Som, ocorreu em virtude de ser o mais próximo para ser contratado.

Como o Treme Terra tem compromissos agendados com a prefeitura de Jaguaruna – a Anjo Som fará a sonorização da virada de ano na cidade vizinha – e não há tempo hábil para a contratação de um terceiro trio elétrico para cumprir o restante dos dias de programação, a prefeitura de Laguna providenciou a contratação emergencial do serviço de palco para o Mar Grosso. Anos atrás, a virada de ano era feita nesse modelo.

A programação montada pela prefeitura de Laguna para segunda-feira, 30, e terça-feira, 31, segue mantida sem alterações. A cidade está com a expectativa de atrair 100 mil pessoas para a virada de ano.

Reações nas redes sociais

O trio elétrico montado no sábado, 28, foi alvo de críticas e chacotas nas redes sociais, a maior parte feita por espectadores da primeira noite de apresentações e, inclusive, das bandas que subiram no palco do caminhão sonoro. Os poucos elogios foram direcionados à qualidade musical dos artistas.

Na página do Portal Agora Laguna no Facebook, uma enquete foi aberta para que as pessoas pudessem avaliar o trio elétrico contratado. As respostas confirmaram a insatisfação para com o equipamento apresentado.

O que dizem as empresas

Um representante da empresa Arma Som Elétrico, do Rio Grande do Sul, que se encontravam na praça Nelson Moreira na noite de domingo, 28, foi ouvido pela reportagem para que pudesse dar a versão da empresa sobre o ocorrido.

Ele não quis conceder entrevista para evitar mais “alarde” e disse que resolveria o caso entre a empresa e a prefeitura. A secretária Luciana Pereira informou que o proprietário assinou a notificação e também o relatório de vistoria feito pela administração municipal.

Adriano Lopes Cardoso, proprietário da Anjo Som Sonorização, que responde pelo Trio Treme Terra, se limitou a comentar a situação dizendo: “Para ajudar, sempre vou estar a disposição”.