Rachaduras em escola no Farol chamam atenção

Problemas são visíveis, como rachaduras em paredes e azulejos quebrados em salas de aula.
Agora Laguna

A situação da escola estadual Santa Marta, na localidade do Farol, é preocupante há mais de quatro anos. Os problemas voltaram à tona nesta semana.

Em visita recente ao colégio, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) apontou uma série de problemas e não descarta pedir que os órgãos responsáveis promovam a interdição da unidade, única do estado naquela região.

Os problemas são visíveis, como rachaduras em paredes e azulejos quebrados em salas de aula.

Agora Laguna consultou a Coordenadoria Regional de Educação (CRE), que é o órgão estadual responsável por gerir as escolas da rede de ensino estadual na cidade.

De acordo com a coordenadora Marlise Nunes e o engenheiro Paulo César, a escola foi afetada por uma construção irregular feita em frente ao colégio, cuja movimentação de terra no morro, causou as rachaduras. Defesa Civil e Ministério Público, e até mesmo a Secretaria de Planejamento Urbano já foram informados.

A CRE informou, ainda, que faz um monitoramento da situação e não cogita, nesse momento, interditar o colégio. Em paralelo, um projeto de melhorias e reforma tramita no governo catarinense.