‘Peço que a prefeitura tome alguma providência’, diz mulher vítima de mordida de cão solto

"Entendo que os cães precisam ser cuidados e alimentados, pois não têm culpa de terem sido abandonados, porém deixa-los na rua para continuar a atacar as pessoas não é a melhor opção", comenta.
Divulgação

Uma mulher sofreu uma mordida de um cão solto na região da Ponta do Daniel, no Distrito de Ribeirão Pequeno, por volta de 12h30, desta terça-feira, 16.

Em depoimento ao Portal, ela conta que estava trafegando de moto com o filho na garupa, quando foi surpreendida pelo animal. “Todos os dias eu passo de moto para ir ao trabalho e várias vezes fui atacada, mas consegui desviar. Fui mordida e quase caí de moto por conta do cachorro. O cão pulou e eu no instinto de proteger meu filho, coloquei minha perna na frente”, conta.

Moradores próximos viram o ocorrido e a ajudaram. “Peço que a prefeitura tome alguma providência em relação aos ataques, porque vem sendo contínuos. Entendo que os cães precisam ser cuidados e alimentados, pois não têm culpa de terem sido abandonados, porém deixa-los na rua para continuar a atacar as pessoas não é a melhor opção”, comenta.

Condenação

Em outubro do ano passado, o Tribunal de Justiça manteve sentença condenatória contra a prefeitura e determinou até 12 meses para adotar onze medidas para assegurar o controle populacional e de zoonoses, a segurança e a promoção do bem-estar animal de cães e gatos abandonados.

A ação original é do Ministério Público e sustenta que houve aumento no número de acidentes de trânsito causados pelo abandono de animais e crescimento da população de animais de rua e que há registros de casos de maus-tratos e ataques de cães a pedestres ou ciclistas na região central, praias e bairros de Laguna.