Assembleia de Deus emite nota após repercussão de prisão de membro

Texto é assinado pelo pastor-presidente Agissé Levi da Silveira. "Vem por meio desta nota esclarecer publicamente seu posicionamento firme contra quaisquer atividades ou atos ilícitos praticados por qualquer pessoa que frequente ou possa vir a ser membro ou congregado desta comunidade religiosa", diz um trecho.
Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Uma nota de esclarecimento foi emitida, nesta terça-feira, 13, pela Assembleia de Deus (Iead), de Laguna, com um posicionamento da igreja em relação à repercussão da prisão do ex-servidor da prefeitura, Oziel Andrade, que era membro daquela igreja.

O texto é assinado pelo pastor-presidente Agissé Levi da Silveira. “Vem por meio desta nota esclarecer publicamente seu posicionamento firme contra quaisquer atividades ou atos ilícitos praticados por qualquer pessoa que frequente ou possa vir a ser membro ou congregado desta comunidade religiosa”, diz um trecho. Leia a íntegra ao fim da matéria.

“A Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Laguna tem se dedicado ativamente a auxiliar o próximo por meio de suas ações sociais. Portanto, reiteramos que não apenas discordamos, mas também não compactuamos com qualquer tipo de ilegalidade praticada por qualquer indivíduo que faça parte ou venha a fazer parte de nossa comunidade. Aqueles que agem de forma contrária a esses princípios são afastados das atividades e funções eclesiásticas”, completa Silveira.

Andrade foi detido em uma operação da Polícia Civil na última sexta-feira, 9, em uma investigação que apura a prática de rachadinha, nome popular dado à cobrança de parte do salário de servidores públicos, no âmbito da Frente de Trabalho. Em nota, a prefeitura de Laguna disse que já o exonerou no fim do ano passado. Agora Laguna não conseguiu localizar a defesa do ex-servidor para obter posicionamento, sendo que o espaço permanece aberto.

Leia a nota da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, de Laguna

Divulgação/Iead Laguna

Notícias relacionadas