Previous
Next

De cara renovada, Xavante apresenta tema e letra do enredo de 2024

Evento realizado na sede da entidade atraiu membros das escolas coirmãs e teve a presença da rainha Gisele Pavanate, que caminha para mais um ano à frente da bateria.

Pioneiro do Carnaval lagunense, o Clube Carnavalesco Xavante resolveu quebrar a barreira do mistério e revelar, em uma paella festiva, na tarde desta quinta-feira, 7, sua nova identidade visual e o enredo que levará para a avenida em 2024, se houver a apresentação das escolas de samba.

“É uma nova identidade visual, um novo samba-enredo e a escola de samba Xavante vai vir com tudo junto com sua nova diretoria”, garante o presidente Ronaldo Pacífico Vargas.

O evento realizado na sede da entidade atraiu membros das escolas coirmãs e teve a presença da rainha Gisele Pavanate, que caminha para mais um ano à frente da bateria. Em 2024, a escola vai falar das andanças dos povos ciganos, os romanis. “Com todo seu encanto, a nossa escola levará para avenida o povo romani. Hoje, nós festejamos com esse tema enredo”, revela o carnavalesco Adimar de Córdova.

Fundado em 1946, o Xavante tem sua sede no Magalhães e se orgulha dos pioneirismos ao longo de sua história. Em 2023, no retorno dos desfiles e do Carnaval das escolas, a agremiação defendeu um enredo que falava sobre uma lenda indígena de Roraima, o Canaimé.

Confira a letra

O samba enredo do Xavante é intitulado: ‘Das andanças que fiz, riquezas busquei, a sorte encontrei, alma cigana terei’, letra de Cristian Pavanate, Renato Demétrio e Dhioguinho Domingos.

Noite de festa na aldeia
Santa Sara clareia
Laguna vai balançar
Xavante reluz é ouro
Vida cigana na cultura popular

Eu sou o sopro do vento
O céu é meu teto meu alento
Estrela guia da sorte me levou
A caminhos… inspirador
Do mundo fiz morada
Da dor sofrida
Minha caminhada
Perseguido e torturado
Insisto em ser feliz
Liberdade, marcas e cicatriz

Ao som de violinos e castanholas
Mistura pandeiro, cavaquinho e tamborim
A carta revelou, a mão confirmou
Xavante é amor sem fim

Na tradição, cultuando a alma cigana
Em transe da Fogueira
Coisas do baú de memórias
No Brasil, um recomeço
Paraíso, ganhou destaque
Quem vive com medo
Vive pela metade
Vivemos a realidade
Povo Romani
É Lealdade