Guarda de Laguna é ‘case’ para estudo em Criciúma

Na terça-feira, 31, os agentes Arlon Luiz, de Laguna, e Ronaldo Damazio, de Tubarão, estiveram na cidade para uma reunião com a vereadora Giovana Mondardo (PCdoB), defensora da ideia de a capital carvoeira voltar a ter a unidade de segurança.
Divulgação

A experiências das Guardas Municipais de Laguna (GML) e Tubarão (GMT) serve de inspiração para consultas que embasam uma possível recriação do mesmo órgão em Criciúma. Na terça-feira, 31, os agentes Arlon Luiz, de Laguna, e Ronaldo Damazio, de Tubarão, estiveram na cidade para uma reunião com a vereadora Giovana Mondardo (PCdoB), defensora da ideia de a capital carvoeira voltar a ter a unidade de segurança.

“É um trabalho que a guarda municipal faz que é essencial, junto a outros órgãos que atuam integrados e que provou que o número de incidentes diminuiu drasticamente nessas cidades e em outras do estado”, diz a edil. Conforme o Sindicato dos Guardas Municipais de Santa Catarina (SindiGuardas), Criciúma e Jaraguá dos Sul são as únicas cidades entre as maiores do estado que não têm a corporação. “Na região do Vale do Itajaí tivemos excelentes números com apoio da atuação da guarda civil e em Tubarão também tivemos um bom trabalho. Criciúma também seria bastante beneficiada com a volta dos trabalhos”, comenta Ronaldo Damazio, presidente interino do órgão.

Em novembro de 2022, Criciúma voltou a debater o tema a partir de proposta de Giovana para que fosse feito um estudo de viabilidade e impacto financeiro para o retorno da corporação municipal. Atualmente, porém, segundo a prefeitura, “não subsiste contingência de viabilidade para a expectação diligenciada, no presente contexto do município, considerando impreteribilidade de fundamento tangível e efetivo para, somente após, adotar as medidas necessárias ao estudo da matéria, no que concerne à abertura de concurso público para agente de trânsito e criação da guarda municipal”.