Eleições 2022: Jorge Boeira (PDT) é oficializado candidato ao Governo de SC

Jorge Boeira é formado em engenharia mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e foi professor da Escola Técnica Federal de Santa Catarina, além de ter trabalhado na indústria carbonífera no Sul de Santa Catarina. Filiado ao PMDB entre 1990 e 2021, foi eleito deputado federal pela primeira vez pelo PT, em 2002. Em 2006, ficou na suplência e assumiu nessa condição em 2009, sendo reeleito no pleito de 2010. Deixou a legenda petista no começo do mandato, migrou para o PSD e depois para o Progressistas, por onde foi reeleito em 2014. Entrou no PDT em 2022, depois de não ter sido escolhido pré-candidato ao governo estadual pelo PP.
Divulgação/PDT

O ex-deputado federal Jorge Catarino Leonardeli Boeira foi oficializado candidato ao Governo de Santa Catarina nas eleições de outubro. A definição foi tomada em convenção partidária realizada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), neste sábado, 30, na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

Fazia 16 anos que o PDT não indicava um nome próprio para a disputa ao governo e a oficialização de um candidato aponta seu rompimento com a Frente Democrática, liderada pelo PT, PSB e outros partidos de esquerda. Os pedetistas queriam a indicação para o Senado na aliança, mas a vaga será ocupada por Dário Berger, do PSB.

A chapa será pura. O ex-deputado estadual Dalmo Claro de Oliveira, de Joinville, que deixou o União Brasil, será o candidato a vice. Já a ex-vereadora Hilda Deola, de Itajaí, disputará o Senado. As vagas de suplência estão abertas e dão margens para possíveis coligações. O partido também oficializou nomes de concorrentes aos Legislativos estadual e federal.

Jorge Boeira é formado em engenharia mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e foi professor da Escola Técnica Federal de Santa Catarina, além de ter trabalhado na indústria carbonífera no Sul de Santa Catarina. Filiado ao PMDB entre 1990 e 2001, foi eleito deputado federal pela primeira vez pelo PT, em 2002. Em 2006, ficou na suplência e assumiu nessa condição em 2009, sendo reeleito no pleito de 2010. Deixou a legenda petista no começo do mandato, migrou para o PSD e depois para o Progressistas, por onde foi reeleito em 2014. Entrou no PDT em 2022, depois de não ter sido escolhido pré-candidato ao governo estadual pelo PP.