Motociclistas, amigos e familiares protestam após morte de jovem em rodovia

Irmão da vítima, Diego Souza João expressou indignação. "O sentimento é de revolta. Foi uma vida, né. Saber que o indivíduo está na rua, isso me corta o coração. A Yasmin era uma pessoa carismática, fácil de fazer amigos, uma menina excepcional que fará muita falta", disse ao Portal Agora Laguna. 
Protesto se concentrou nas margens da via. Foto: André Luiz/Agora Laguna

A morte trágica de Yasmin Souza João, 29 anos, uniu um grupo de motociclistas, amigos, familiares e pessoas indignadas com o alto número de acidentes trágicos ou não que ocorreram nos últimos meses ao longo da rodovia Francisco Fernandes Pinho (A-101-F, antiga SC-436), que dá acesso ao município de Laguna.

De forma pacífica, as dezenas de pessoas que participaram do protesto ocuparam parte da rodovia por alguns minutos e com pequenos cartazes e balões brancos pediram paz no trânsito e providências do poder público para modificar o panorama da pista, a principal e mais usada para acessar a cidade.

A família da jovem participou e estavam emocionados. O irmão, Diego Souza João, expressou indignação. “O sentimento é de revolta. Foi uma vida, né. Saber que o indivíduo está na rua, isso me corta o coração. A Yasmin era uma pessoa carismática, fácil de fazer amigos, uma menina excepcional que fará muita falta”, disse ao Portal Agora Laguna. A jovem deixou dois filhos e foi sepultada à tarde no Cemitério da Glória.

Mais cedo, o motorista, 61 anos, cuja identidade não foi tornada pública, ganhou liberdade provisória, sem fixação de fiança. Ele passou por uma audiência de custódia e deverá cumprir condicionantes como não frequentar mais bares. Além disso, teve o direito de dirigir suspenso. Agora Laguna tentou ao longo do dia localizá-lo, mas fontes próximas disseram que o homem não quer se manifestar publicamente.

O grupo que protestou nesta quinta-feira, organiza um novo protesto para segunda-feira, 27, às 18h, de maneira mais ampla e com foco em fazer uma manifestação que inicie na rodovia e termine na Câmara de Vereadores, onde uma pauta de reivindicações deverá ser entregue aos edis da cidade. Algo semelhante como ocorreu meses atrás quando motoboys protestaram pelas ruas da região central.