Câmara rejeita por maioria abertura de processo contra prefeito de Laguna

Com a votação, o requerimento foi arquivado. Caso fez referência a uma situação que teria ocorrido contra a vereadora Nádia Tasso Lima, no final de 2021.
Divulgação

Uma denúncia contra o prefeito de Laguna, Samir Ahmad (Republicanos), foi rejeitada por 8 votos a 2 pelos vereadores de Laguna. O requerimento de abertura de processo foi proposto pelo presidente da Casa, Rhoomening Rodrigues (PSDB), e pela vice-presidente Deise Cardoso (MDB), e se baseava no fato de o Legislativo não ter recebido resposta ao pedido de retratação contra a suposta declaração feita pelo chefe do Executivo em relação à edil Nádia Tasso Lima (União).

O pedido foi discutido e votado na sessão desta terça-feira, 14. Em novembro de 2021, a Câmara pediu retratação do prefeito após Nádia ter desabafado e lamentado a declaração. Ahmad teria dito em uma reunião que a vereadora só seria atendida na prefeitura se apresentasse atestado de sanidade mental. “Eu presenciei o fato lamentável”, afirmou Rodrigues.

A denúncia pedia apuração dos fatos e, na hipótese de comprovação após análise final, fosse decretada a cassação do mandato do atual prefeito. O requerimento é fundamentado no decreto-lei 201/1967, que regra a responsabilidade dos prefeitos e vereadores. “Ele fez o ato e não teve a decência de pedir desculpa”, disparou Deise. “Estou com a senhora [Nádia], mas vou votar contra. Não se faz necessário pedir afastamento. Prefeito tem que se retratar, mas não cabe a denúncia no momento”, argumentou Edi Goulart Nunes (PSD), em defesa do voto contrário. Leia o teor da denúncia, na íntegra, aqui

A votação, nominal, foi assim:

  • Contrários: Anderson Silveira (PSDB), Edi Goulart (PSD), Eduardo Carneiro (União), Hirã Ramos (MDB), Jaleel Farias (PSDB), Kleber Lopes (sem partido), Luiz Otávio Pereira (União) e Patrick Mattos de Oliveira (MDB).
  • Favoráveis: Gustavo Cypriano dos Santos (União) e Nádia Tasso Lima (União).
  • Abstenção: Deise Cardoso (MDB) e Rhoomening Rodrigues (PSDB) – pelo fato de serem proponentes, não podem votar.
  • Ausências: Rodrigo Bento (PL) – justificada, segundo a Câmara.

Nádia Tasso Lima se manifestou sobre o tema em discurso no grande expediente. “Quando ele deixou de responder à retratação, não deixou de responder à vereadora Nádia; deixou de responder para a Casa Legislativa”, disse a edil, agora integrante da Procuradoria da Mulher, na Câmara de Laguna. “Deixar de responder é prevaricação. Por si só, configura improbidade administrativa e nesse caso em especial me vejo na obrigação de lutar. Foi um desrespeito à mulher”, completou.

Com a votação, o requerimento foi arquivado. O prefeito Samir Ahmad foi procurado e se limitou a dizer que o processo foi uma nova tentativa de lhe causar a cassação e que isso seria uma forma de ignorar os avanços do município nos últimos meses.

Notícias relacionadas