Torre do antigo emissário submarino é demolida um ano e meio após desativação

A tubulação vai permanecer, como uma segunda opção na eventualidade de problemas com o transporte dos dejetos para a unidade de tratamento de esgoto. A estrutura tinha 11 metros de altura e era localizada próximo ao terceiro posto guarda-vidas. Durante os últimos anos, se tornou o ícone dos transbordamentos de esgoto no Mar Grosso, fato provocado pelos entupimentos recorrentes dos encanamentos.
Colaboração/Agora Laguna

Construído em 1988, o emissário submarino da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) está desativado desde outubro de 2020, quando a empresa concluiu o redirecionamento de toda a rede para a estação de tratamento da Vila Vitória. Na manhã desta sexta-feira, 25, a torre de equilíbrio (chaminé), símbolo visível da estrutura, foi demolida.

No local, será colocada uma tampa. O Portal consultou a administração da empresa em Laguna. De acordo com Diego Rodrigues, chefe da agência na cidade, apenas a chaminé foi posta abaixo. A tubulação vai permanecer, como uma segunda opção na eventualidade de problemas com o transporte dos dejetos para a unidade de tratamento de esgoto.

A estrutura tinha 11 metros de altura e era localizada próximo ao terceiro posto guarda-vidas. Durante os últimos anos, se tornou o ícone dos transbordamentos de esgoto no Mar Grosso, fato provocado pelos entupimentos recorrentes dos encanamentos. Antes do redirecionamento, o esgoto era bombeado até a torre que servia para evitar a entrada de ar na tubulação e dar pressão para o despejo do esgoto pelo emissário, a 12 metros de profundidade e 1,5 mil metros mar adentro, com vazão de 40 litros por segundo.

Arquivo

Notícias relacionadas