Morre Ladinho, ex-técnico do LEC e campeão gaúcho em 77 com o Grêmio

Em nota divulgada nesta manhã, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) lamentou o falecimento do tubaronense. O Grêmio também expediu nota de pesar.
Foto: Lougans Duarte/Diário do Sul/Divulgação

O futebol do Sul do país está de luto. Morreu na noite de quinta-feira, 24, o ex-jogador de futebol e ex-técnico do antigo Laguna Esporte Clube (LEC), Abelardo Madalena, o Ladinho. O futebolista era natural de Tubarão e faleceu, aos 74 anos, vitimado pelas complicações provocadas por uma infecção generalizada. Ele estava internado desde janeiro no Hospital Nossa Senhora da Conceição.

Ladinho começou a carreira no extinto Ferroviário, de Tubarão, por onde atuou por cinco anos até se transferir para o América e seguir para a Portuguesa de Desportos (SP) e Athletico Paranaense, onde marcou 11 gols no estadual de 1974. Foi um técnico da cidade mais populosa do estado que o indicou para uma das maiores oportunidades da carreira do tubaronense: defender as cores do Grêmio Porto-Alegrense, treinado na época pelo célebre Telê Santana.

“O Lauro Búrigo [técnico do América, de 1971] me indicou. Na época o zagueiro tinha que ser no estilo guarda-roupa. Eu era magrinho e franzino, por isso me colocaram na ala. E foi na posição que cheguei aos times maiores”, recordou em entrevista ao Diário do Sul, em 2010. Se orgulhava de que, enquanto jogador do tricolor gaúcho, só tinha perdido dois dos doze clássicos com o colorado Internacional. Pela equipe de Porto Alegre seria campeão estadual em 1977. O time lamentou a morte em uma rede social. “Também fez um golaço em um Gre-Nal no ano de 78. Deixou sua marca na nossa história e onde passou”, recordou o clube.

Voltou para Santa Catarina como jogador do Joinville, time criado em 1976 pela fusão de Caxias e América, e encerrou a carreira no Avaí, de Florianópolis. Foi no Leão da Ilha que Ladinho se aventurou como treinador e comandou a equipe alviazul por duas ocasiões: 1982-83 e 1990-91. Ainda treinou o Brusque em 1988, numa das primeiras temporadas do clube, e chegou a ser técnico do Tubarão, Hercílio Luz, Ferroviário e Araranguá, em alguns anos da década de 1990.

Nesse mesmo período, teve uma rápida passagem pelo LEC. O ex-radialista João de Sousa Junior, o Dão, recorda o futebolista. “Foi treinador do time, não me recordo o ano, mas foi um cara espetacular, sensacional. Viajamos por algumas oportunidades juntos”, lembra o profissional, que também foi narrador esportivo. Ladinho também chegou a ter uma residência na região da praia da Cigana, em Laguna.

O ex-futebolista conviveu na última década com problemas renais e passou por um transplante de rim em 2015, na cidade de Joinville. O jornalista Léo Saballa, no Terceiro Tempo, contou como foi esse dia e a tensão para chegar ao hospital em uma viagem ágil, a tempo de garantir o procedimento cirúrgico. “O transplante foi um sucesso. Três horas depois ele se encontrava em recuperação. Em breve, estará de volta ao seu sítio, no Bairro Cruzeiro, em Tubarão, para cuidar do pomar, da horta e da criação. Vai ter muito tempo para assistir futebol na TV, para brincar com os netinhos e viajar com a Neusa, livre da dependência da máquina de hemodiálise. Mais um jogo inesquecível. Para Ladinho, o maior e o mais disputado entre todos”, relatou o jornalista.

Em nota divulgada nesta manhã, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) lamentou o falecimento do tubaronense. “A FCF, em nome do presidente Rubens Angelotti e diretoria, presta condolências aos familiares e amigos de Adelardo Madalena”, diz o texto. O velório começou às 7h, na funerária Santa Terezinha, em Tubarão, e o sepultamento será às 16h, desta sexta-feira, 25, no cemitério Horto, no bairro Monte Castelo.