Estado vai investir R$ 14,9 milhões em quadras cobertas para escolas da Regional de Laguna

Governo projetou as quadras para atender demandas históricas e garantir o acesso a atividades pedagógicas de Educação Física com qualidade e segurança. Os colégios contemplados oferecem estas atividades em espaços ao ar livre e estão sujeitas às condições climáticas. As estruturas vão poder ser usadas, também, para o desenvolvimento de atividades culturais, socioeducativas e recreativas.
Divulgação

As cinco primeiras escolas da Coordenadoria Regional de Educação (CRE) de Laguna contempladas com recursos estaduais para a construção de quadras cobertas assinaram nesta quinta-feira, 3, as ordens de serviço para as obras poderem ser iniciadas. O prazo de execução é de doze meses.

Segundo o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Cardoso, o Vampiro, a assinatura da ordem de serviço para 70 escolas representa a primeira parte das entregas de um lote de obras de infraestrutura que irá contemplar ainda mais unidades escolares dentro do projeto EducaSC+. “Não são só quadras cobertas, são estruturas modernas, resistentes, equipadas com uma infraestrutura adequada à prática de atividades físicas nas escolas”, afirma o secretário.

Para a região de Laguna, são cerca de R$ 14,9 milhões investidos nesse primeiro momento. O governo projetou as quadras para atender demandas históricas e garantir o acesso a atividades pedagógicas de Educação Física com qualidade e segurança. Os colégios contemplados oferecem estas atividades em espaços ao ar livre e estão sujeitas às condições climáticas. As estruturas vão poder ser usadas, também, para o desenvolvimento de atividades culturais, socioeducativas e recreativas.

O projeto padrão foi elaborado em conjunto pelas secretarias estaduais de Educação e da Infraestrutura. Conforme a SED, as plantas foram pensadas para oferecerem rápida adaptação às condições de terreno e índices urbanísticos de cada município contemplado. As estruturas vão ser feitas de forma conectada com o restante da estrutura das escolas, exigirão pouca manutenção, são acessíveis e, sempre que possível, agregarão estratégias de sustentabilidade ambiental, como aproveitamento de água da chuva, uso de fontes de energia alternativa, ventilação cruzada, paisagismo com utilização de espécies nativas, entre outros.

Confira os valores por escola

  • Escola de Educação Básica Palmira Moraes de Miranda (Pescaria Brava) – R$ 3.010.756,04
  • Escola de Educação Básica Domingos Barbosa Cabral (Pescaria Brava) – R$ 3.027.250,34
  • Escola de Educação Básica Comendador Rocha (Laguna) – R$ 3.679.595,45
  • Escola de Educação Básica Luiz Félix Barreto (Imaruí) – R$ 3.224.226,98
  • Escola de Ensino Médio Engenheiro Annes Gualberto (Imbituba) – R$ 1.966.676,87
Escola Comendador Rocha assinou ordem de serviço: investimento na escola ultrapassa R$ 3 milhões. Foto: Colaboração.

Notícias relacionadas