Congresso e complexo ferroviário são reabertos após obras de restauro e revitalização; veja como ficaram

Recursos investidos são provenientes do Fundo de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).
Divulgação

Mais dois patrimônios históricos de Laguna foram devolvidos à população. Nesta terça-feira, 22, pela manhã, as obras de restauro e revitalização do complexo ferroviário do bairro Campo de Fora e da sede da Sociedade Recreativa Congresso Lagunense foram entregues oficialmente pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A sede atual do Congresso Lagunense foi construída na década de 1930, mas o clube é mais antigo, de 1889. Em estilo eclético, o prédio se consolidou como um espaço social marcante na cidade. Após uma decadência estrutural, a estrutura, tombada desde 1985, foi restaurada em um investimento de R$ 1,3 milhão. O projeto incluiu a restauração completa do prédio, com pisos, esquadrias, forros e alvenarias, recuperação da cobertura, novas instalações sanitárias e soluções de acessibilidade e contemplou novas instalações elétricas, de comunicação, de climatização e iluminação, além de sistemas de prevenção e combate a incêndio.

“A devolução dos espaços públicos completamente restaurados à sociedade catarinense demonstra cada vez mais o compromisso do Governo Federal com o resgate da nossa história. Desde 2019 já foram entregues por todo Brasil 70 obras, com investimento de mais de R$ 290 milhões. Ainda estamos com 76 obras em execução, totalizando cerca de R$ 390 milhões”, comenta a presidente do Iphan, Larissa Peixoto.

Já o complexo, formado pela estação e armazém de cargas, tem traços arquitetônicos do estilo art-decó, que dominou a construção civil na metade do século passado. Todo o espaço integra o patrimônio da extinta Rede Ferroviária Federal e faz parte do seleto grupo de patrimônios culturais do país. Cerca de R$ 3 milhões foram investidos no trabalho, que restaurou pisos, esquadrias, forros, alvenarias e trouxe  novas instalações elétricas, de comunicação, de climatização e de iluminação.

Além disso, foram realizadas a construção de bloco anexo com sanitários, depósito e área de serviço. Por fim, na área foram implantados estacionamento, calçadas, palco ao ar livre, academia, parquinho infantil, pista de skate e arborização. A tendência é que o espaço ferroviário seja cedido para uso pela Udesc de Laguna.

Os recursos investidos são provenientes do Fundo de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). “É um fundo federal que se destaca na defesa de direitos metaindividuais, fomentando projetos voltados à proteção do meio ambiente, dos direitos dos consumidores, bem como incentiva as boas práticas dos mais variados segmentos do mercado, com o financiamento de ações destinadas ao fortalecimento da defesa da concorrência, do patrimônio histórico e cultural brasileiro, dentre outros vetores”, pontua o secretário Nacional do Consumidor, Rodrigo Roca.

Congresso Lagunense

Estação ferroviária do Campo de Fora