Polícia prende mulher envolvida na morte de taxista, e MP oferece denúncia à Justiça

Os dois teriam planejado o roubo e simulado precisar dos serviços da taxista. Juntos, homem e mulher teriam desferido 19 golpes de faca contra a idosa – a perícia apontou que 17 a atingiram na cabeça.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

A Polícia Civil prendeu, na tarde de segunda-feira, 7, uma mulher com envolvimento na morte de Zélia Regina, 68 anos, professora aposentada e taxista. A detida teria agido em conjunto com outro homem, preso no último dia 25.

Ainda no mesmo dia, a 2ª Promotoria de Justiça de Laguna ajuizou ação penal pública contra ambos pelo crime, que chocou Laguna pela brutalidade e crueldade. As denúncias contra ambos são por latrocínio, que se trata do roubo seguido de morte e cuja pena pode alcançar 30 anos de reclusão.

Os dois teriam planejado o roubo e simulado precisar dos serviços da taxista. Juntos, homem e mulher teriam desferido 19 golpes de faca contra a idosa – a perícia apontou que 17 a atingiram na cabeça. A vitima foi golpeada ainda dentro do táxi e após ser retirada do veículo, eles viram que ela estava viva e por isso a atingiram com um pedaço de madeira provocando sua morte.

O crime violento teria sido praticado apenas para roubar o dinheiro da vítima, cujo valor foi estimado em R$ 630. Essa ideia ficou clara pelo fato de o carro dela foi levado por eles, abandonado e incendiado depois.

O pedido de prisão preventiva de ambos, conforme a promotora Raíza Rezende, foi “para a garantia da ordem pública, servindo como meio acautelatório para a comunidade local, que é atingida de forma indireta, causando um sentimento de insegurança na reiteração delitiva”. Pesou na solicitação, o fato de o homem detido ser suspeito de ter praticado uma tentativa de latrocínio dias antes e que também foi incluída na denúncia à Justiça.

Notícias relacionadas