Testes rápidos, agora com critérios de realização reavaliados, começam a chegar às cidades

Em ofício, a Secretaria de Estado da Saúde recomendou que os municípios sigam temporariamente critérios recomendados pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que prioriza a realização de testagem em determinadas situações.
Foto: Bruna Matos/DIVE

 3,008 visualizações

Desde a última semana, o Estado catarinense distribui para as cidades testes rápidos para detecção de antígenos (TR-AG) de coronavírus. São 299,7 mil unidades que vão ser encaminhadas aos municípios e 10 mil para a rede pública estadual de Saúde, o que inclui hospitais, maternidades, Samu e Hemosc.

Os testes são distribuídos com base no porte populacional das cidades. Nesta semana, quase 810 mil unidades de TR-AG devem chegar a Santa Catarina, que reavaliou os critérios de uso dos testes.

O novo roteiro de realização considera a escassez de insumos para a realização de testes. Em ofício, a Secretaria de Estado da Saúde recomendou que os municípios sigam temporariamente critérios recomendados pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que prioriza a realização nas seguintes situações:

  • Todos os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) que necessitem de hospitalização;
  • Pacientes com sintomas respiratórios que estejam nos grupos de risco para agravamento da doença (idosos, gestantes, puérperas, portadores de comorbidades);
  • Profissionais de saúde com sintomas respiratórios (para permitir orientação referente ao retorno ao trabalho);
  • Triagem de pacientes que precisam ser hospitalizados por outros motivos;
  • Profissionais com sintomas respiratórios que fazem parte de serviços essenciais e presenciais, como profissionais de segurança (para permitir orientação referente ao retorno ao trabalho).

A realização de testagem não é recomendada em indivíduos assintomáticos (inclusive contatos), como requisito para sair do isolamento ou como pré-requisito para participação em eventos ou estabelecimentos que exijam. As novas recomendações devem ser seguidas pelos municípios até que a disponibilidade de testes seja regularizada.

Notícias relacionadas