Técnicas em enfermagem reivindicam reajuste e concessão de gratificação

Segundo profissionais, gratificação está desfasada há sete anos e há algumas técnicas que não recebem o mesmo benefício.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

 5,504 visualizações,  4 views today

Um grupo de técnicas e auxiliares de enfermagem se juntou para cobrar da prefeitura municipal a concessão de gratificação por assiduidade e pontualidade. As profissionais estiveram na sede administrativa do município para tentar se reunir com o prefeito Samir Ahmad (sem partido) e foram ouvidas pelo vice Rogério Medeiros (PSDB) e o procurador Rodrigo Moro, além de alguns vereadores.

Ao Portal Agora Laguna, a técnica em enfermagem do Centro Materno Infantil, Kátia Regina Medeiros, explicou os pedidos da classe. De acordo com ela, são solicitados: o aumento de R$ 500 no salário-base atualmente em R$ 1.704, reajuste da gratificação fixa para quem tem carga horária de 40h (sendo 40% do pagamento-base) – defasada há sete anos, conforme os relatos – e a concessão desse mesmo benefício para faz carga de 30h (sendo 75% do valor-base).

“Estamos há dois anos sem receber dissídio ou reajuste e trabalhando arduamente contra a pandemia. As meninas da vacina entram 7h e não têm hora para sair, não têm sábado, não têm casa, filhos, mais nada… Dizem que quem não está na vacina não tem gratificação, porém, todas nós pegamos Covid e levamos para casa. Hoje, eu trabalho sozinha no meu setor, pois os funcionários estão afastados. Não há quem não esteja na frente. Mas não estamos pedindo gratificação por isso, queremos o reajuste do que existe há sete anos e está atrelada aos ESFs; nos outros programas ninguém ganha. Queremos ganhar igual para que não haja diferenciação”, explica a profissional.

Segundo Kátia, em setembro de 2021, havia sido solicitada à prefeitura a realização de um estudo de impacto financeiro para avaliar a possibilidade de atender aos anseios da classe. Esse pedido foi novamente refeito na reunião ocorrida nesta quarta-feira, 26, organizada por iniciativa do grupo, sem atuação do sindicato da categoria. Atualmente, são cerca de 60 técnicos e auxiliares de enfermagem atuantes na cidade.

“Foram atendidos os representantes, ouvidos os pleitos e já estamos com uma equipe técnica fazendo os estudos financeiros que envolvem a pauta. Ainda, vale ressaltar que tramitou na Câmara de Vereadores o projeto de lei que objetiva conceder reajuste de 10,04% a todos os servidores municipais a título de reposição salarial”, disse a prefeitura, via Gerência de Comunicação. Internamente, a data que se trabalha para a conclusão da análise de impacto financeiro é 14 de fevereiro, até lá, as profissionais garantem que aguardarão, antes de darem algum outro passo no movimento de reivindicação.