PMs do caso Diego Scott são expulsos da corporação

Ato de expulsão de Luiz Henrique Corrêa e Eduardo Amorim foi assinado pelo governador Carlos Moisés (sem partido) e pelo secretário estadual da Administração, Jorge Tasca e está publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), desta segunda-feira, 30.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 13,889 visualizações,  4 views today

Os dois policiais militares envolvidos no caso Diego Scott foram expulsos da corporação. O ato de expulsão de Luiz Henrique Corrêa e Eduardo Amorim foi assinado pelo governador Carlos Moisés (sem partido) e pelo secretário estadual da Administração, Jorge Tasca e está publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), desta segunda-feira, 30.

O ato assinado por Moisés e Tasca apenas confirma uma decisão interna da corporação e é resultado de um processo disciplinar administrativo aberto pela corregedoria. Os agentes tinham sido punidos e recorreram ao governo estadual. Durante as investigações internas realizadas pela PM e externas, feitas pela Polícia Civil, os dois chegaram a ficar detidos e afastados das funções dentro de seus batalhões. Apenas um deles é lotado no 28º BPM, em Laguna.

O desaparecimento de Scott vai completar um ano no próximo dia 15. Ele foi visto pela última vez sendo colocado dentro de uma viatura da polícia. Na ocasião, a dupla de militares foi até a residência do pai dele, Edson Scott, ex-jogador de futebol, atender ocorrência de discussão familiar (relembre abaixo).

Em nota, o advogado de defesa da família, Breno Schiefler Bento, avaliou o gesto como um “primeiro passo”. “Nada trará o Diego de volta, mas é um conforto para a família após um ano de espera que segue em busca de justiça e de uma despedida digna”, disse. A PM foi procurada e analisa a possibilidade de uma nota. O Portal entrou em contato com as defesas dos envolvidos e até a última atualização, nenhum posicionamento tinha sido encaminhado à reportagem.

Atos saíram no Diário Oficial. Foto: Reprodução/DOE-SC

O caso

Diego Bastos Scott, na época, 39 anos, desapareceu no dia 15 de janeiro após uma discussão familiar em sua residência no bairro Progresso. A Polícia Militar (PM) foi acionada para apartar a situação e o homem foi colocado dentro da viatura e teria sido deixado no Laguna Internacional, mas no boletim original, constava que ele não estava no local.

Depoimentos divulgados com exclusividade pelo Portal mostraram que a versão dos policiais foi alterada, depois de as imagens da câmera de segurança de uma residência próxima terem confirmado que Scott foi posto na viatura.

Policiais civis, militares e a família fizeram buscas na região do Gi. O local é formado por mata, estradas de chão de conservação prejudicada devido à chuva e inúmeros banhados. Mas nada foi encontrado. Diego era casado e tinha um filho, hoje com nove anos.


Atualizado às 23h50.

Notícias relacionadas