Obras de desassoreamento da Barra do Camacho devem durar até 180 dias

Após a conclusão do desassoreamento, com remoção de 147 mil metros cúbicos de areia, a profundidade deve chegar a três metros.
Foto: Júlio Cavalheiro/Secom Governo-SC
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,648 visualizações,  4 views today

Desde a quarta-feira, 5, os primeiros metros cúbicos de sedimentos são retirados do canal da Barra do Camacho, entre Laguna e Jaguaruna. A ordem de serviço das obras foi assinada, na manhã desta sexta-feira, 7, cinco meses após o processo licitatório. O prazo de execução, agora, é de 180 dias. Cerca de 1,5 mil famílias são impactadas diretamente com a barra fechada.

A obra vai custar R$ 2.511.093,67 e será executada pela empresa 3Golf, de Florianópolis, declarada vencedora da licitação após recurso. No final de dezembro, os primeiros maquinários começaram a ser instalados. Após a conclusão do desassoreamento, com remoção de 147 mil metros cúbicos de areia, a profundidade deve chegar a três metros.

“É uma conquista. Desde pequeno escuto falarem na barra, essa luta dos pescadores. Hoje, temos o projeto, o recurso e está saindo do papel para a realidade”, comenta o prefeito de Jaguaruna, Laerte Silva (PSC).

Nos próximos dez dias, a prefeitura deve estar homologando o contrato para que a obra do enrocamento, que é a extensão da barreira de pedras, possa iniciar. “Os pescadores vão poder ter uma produtividade muito maior. Essa barra tem uma importância na questão da segurança, também, por permitir uma vazão maior do rio Tubarão”, acrescenta o governador Carlos Moisés (sem partido).

O investimento é do governo do Estado e foi feito via convênio com a prefeitura de Jaguaruna, responsável pelo repasse dos recursos e fiscalização das obras.

*Colaboração: Lysiê Santos (Folha Regional).