Morte de professora aposentada choca cidade; velório será nesta tarde

Polícia Civil já abriu investigação sobre o caso. O veículo de Zélia foi encontrado abandonado e incendiado na região da Madre, em território pertencente a Tubarão. O automóvel estava em um área de mata e ficou completamente destruído. A perícia irá analisá-lo. Até o momento, ninguém foi preso. 
Divulgação

Zélia Regina de Souza estava feliz nos últimos dias. Havia comprado um carro novo e já o colocara para rodar em sua rotina como taxista. A professora aposentada, com passagens pela escola estadual Ana Gondin e a municipal Elizabeth Ulysséa (Caic), foi encontrada sem vida na última sexta-feira, 21, com marcas de tiro, na estrada geral da praia do Gi. Ela apareceu morta no dia em que completaria 67 anos.

Nas redes sociais, várias foram as manifestações de pesar e luto de amigos, colegas e passageiros da ex-educadora. “Quisera eu poder estar te felicitando pelo teu aniversário, mas a vida é cheia de surpresas”, escreveu Ivonete Vieira, relembrando os tempos em que trabalharam juntos nas escola pública de Magalhães.

O “Táxi da Zélia” ficou conhecido na cidade pelas corridas ponto de ônibus, como são conhecidas de forma informal as viagens com preço fixo atrelado à passagem do transporte coletivo – prática que não é reconhecida como legal. “Uma tristeza nossa cidade perder uma pessoa incrível como ela. Trabalhou anos como taxista educada, gentil e trabalhadora”, lamentou Cristian Martins.

A Polícia Civil já abriu investigação sobre o caso. O veículo de Zélia foi encontrado abandonado e incendiado na região da Madre, em território pertencente a Tubarão. O automóvel estava em um área de mata e ficou completamente destruído. A perícia irá analisá-lo. Até o momento, ninguém foi preso.

Zélia Regina de Souza será velada a partir das 13h, deste sábado, 22, no Crematório São Mateus, em Ilhotinha, Capivari de Baixo. Após a cerimônia fúnebre, o corpo será cremado, às 16h30.

Notícias relacionadas