Jogador de Laguna ganha chance em time profissional e busca apoio para realizar sonho

Para que isso se concretize, o atleta de Laguna explica que precisa se apresentar até essa semana, mas tem que arcar com uma taxa estimada em R$ 6 mil, para assegurar sua inscrição profissional.
Netinho, em foto com a camisa do Avaí, time que defendeu no sub-23 do Amador, em 2021. Foto: Divulgação/Avaí do Portinho
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 10,460 visualizações,  52 views today

Aos 20 anos, Ademir Keske Neto é como a maioria dos jovens brasileiros: sonha em ser jogador de futebol. Só que agora, ele não corre apenas atrás da bola. Nos último dias, tenta driblar o tempo para conseguir arranjar um patrocínio que banque a primeira oportunidade de virar atleta profissional. Netinho, como é mais conhecido, mora em Cabeçuda e passou em uma seleção do Sport Club Jaraguá, time de Jaraguá do Sul, no Norte catarinense. O clube disputa a terceira divisão do estadual.

Netinho garante que quer fazer bonito para se firmar no clube jaraguaense. Antes de chegar lá em cima, ele passou pelo juvenil do Imbituba e no amador de Laguna atuou com as camisas do Baixada (Caputera) e do Avaí (Portinho), time pelo qual disputou, neste ano, a competição pelo sub-23. “A expectativa é grande”, afirma o jovem.

Para que isso se concretize e as redes possam balançar a seu favor, o atleta de Laguna explica que precisa se apresentar até essa semana, mas tem que arcar com uma taxa estimada em R$ 6 mil, para assegurar sua inscrição profissional. Somado a isso, o jovem terá custos para se manter em Jaraguá do Sul, cidade considerada a quinta força econômica de Santa Catarina. “É gratificante ver que o sonho de criança está perto de se realizar. Viver aquilo tudo que você sonhou é emocionante”.

O adversário é forte, por isso mobilizou uma campanha nas redes sociais para conseguir arrecadar os fundos necessários e se manter nesses primeiros momentos no município do Norte e dar seguimento ao sonho de criança. “O que estou precisando no momento é de patrocínio”, ressalta, acrescentando que também deseja obter o apoio de um empresário que o auxilie no gerenciamento da carreira, que ele quer começar a construir. Para ajudar o jovem a chegar em Jaraguá do Sul, uma chave Pix foi disponibilizada para centralizar as doações. O código é 48998303625 (telefone), em nome de Maria Luiza Keske (irmã).

Notícias relacionadas