Inconformados com mortes e preocupados com acidentes, ciclistas farão manifestação

Ideia é chamar atenção e cobrar do poder público municipal mais atenção para as dificuldades enfrentadas como calçadas irregulares e buracos.
Bicicleta usada pelo ex-jogador João Batista Lemos, o Tita, morto em acidente. Divulgação/CBM

As duas mortes de ciclistas em Laguna, ocorridas entre dezembro e janeiro deste ano, chocaram a cidade. O caso mais recente foi o da jovem Paloma Vergílio Monteiro, de 17 anos, atropelada por um ônibus após se desequilibrar ao subir em uma calçada na avenida Calistrato Müller Salles, bairro Portinho. Preocupados com o crescimento de acidentes do gênero e inconformados com a ausência de infraestrutura capaz de abarcar as bicicletas na cidade, um grupo organiza um protesto para a próxima quinta-feira, 3, às 19h30.

“Todos os dias utilizamos as vias de Laguna para ir e vir de bicicleta, seja por esporte ou como meio de locomoção. Nossa cidade tem uma geografia propícia para isto, mas não temos infraestrutura para fazermos isto com segurança. Nos últimos meses tivemos três ocorrências gravíssimas, sendo elas duas mortes. Isso não pode acontecer”, afirma Fabrício de Freitas Carrer, 30 anos.

O protesto é organizado para ser pacífico. Deve iniciar na rótula de acesso à avenida João Marronzinho, próximo ao posto de combustível, e seguir até a escola Renato Ramos, onde ocorreu a morte de Paloma, que era estudante daquele colégio. “Todos podem participar”, reforça Fabiano de Andrade Pereira, 40.

A ideia é chamar atenção e cobrar do poder público municipal mais atenção para as dificuldades enfrentadas como calçadas irregulares e buracos. “A população lagunense, não só nós ciclistas, está cansada de tanto descaso. Enfrentamos filas, buracos e acidentes quase que diariamente nesta avenida pela falta de infraestrutura da mesma. Precisamos de uma renovação na malha viária de Laguna urgente”, aponta Carrer.