Especialistas alertam para golpes com Pix e QR Code, o código de barras digital

As faturas falsas são semelhantes às originais.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

O sistema de transferência instantânea Pix, do Banco Central, virou o novo alvo dos criminosos. Agora, a tendência é utilizar a tecnologia de QR Code, o código de barras digital, para aplicar golpes.

Os criminosos começaram a falsificar faturas de empresas e enviar aos clientes com códigos maliciosos de QR Code, que podem ser escaneados para o pagamento via Pix. Em alguns casos, há códigos de barra tradicionais, cujo dinheiro pago também vai para a conta dos criminosos.

As faturas falsas são semelhantes às originais. Os bandidos também simulam o visual das faturas e sites das empresas reais, criam e-mails mascarados (remetentes) para imitar os oficiais e chegam a oferecer um desconto de 5% nos pagamentos via QR Code. Os ladrões enviam e-mails se passando por sites de streaming, como Netflix Amazon Prime.

Dicas

  • Atenção ao destinatário. Apenas na primeira fraude é usada uma máscara, no segundo caso, o endereço é genérico e não tem relação com as marcas citadas no golpe.
  • Atenção aos dados pessoais. Na fatura falsa não há a informação do nome do cliente, apenas o código do assinante, um número poucos sabem de cor. Além disso, a identificação do cliente é diferente. Existe um número na mensagem e outro na fatura.
  • Fique de olho no código de barras. Contas de consumo (gás, energia, telefonia) sempre começam com o número 8. Por se tratar de uma fatura falsa, o código de barra começa com o número da instituição financeira na qual a fatura foi gerada ilegalmente.
  • Visite o site oficial das empresas de streaming. Para a suposta promoção de filmes e séries, é importante que a pessoa cheque a veracidade da promoção no site das empresas. Se não houver nada, ainda é possível entrar em contato com eles pelos canais oficiais. Nunca use os contatos informados no e-mail, pois eles podem ser falsos também.
  • Confirme os dados do destinatário antes de concluir o pagamento via Pix. Como em todos os esquemas fraudulentos, os criminosos usam nomes de laranjas para receber o dinheiro dos golpes. Apenas pagamentos legítimos mostrarão os nomes das empresas (razões sociais) corretos.