Justiça manda prender casal suspeito de participar da morte de Amanda Albach

Além destes dois, um terceiro mandado foi expedido contra o autor do crime, que já se encontrava preso. As apurações, coordenadas pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, resultaram na detecção de novos indícios que apontam para a possível participação dos três no sequestro, na tortura e no homicídio. Os pedidos de prisão partiram da Polícia Civil. A captura ocorreu em Canoas, cidade que fica a aproximadamente 18 quilômetros de Porto Alegre.
Arquivo pessoal

 5,888 visualizações,  4 views today

Outros dois suspeitos de envolvimento na morte da jovem paranaense Amanda Albach, 21 anos, foram presos preventivamente na sexta-feira, 21. Eles já haviam sido capturados no decorrer das investigações do crime, mas tinham sido liberados. Amanda, encontrada morta no final de 2021 na praia de Itapirubá, passou o feriado da Proclamação da República na casa dos detidos.

Além destes dois, um terceiro mandado foi expedido contra o autor do crime, que já se encontrava preso. As apurações, coordenadas pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, resultaram na detecção de novos indícios que apontam para a possível participação dos três no sequestro, na tortura e no homicídio. Os pedidos de prisão partiram da Polícia Civil. A captura ocorreu em Canoas, cidade que fica a aproximadamente 18 quilômetros de Porto Alegre.

Segundo o Ministério Público (MP), favorável às prisões, o entendimento da promotora de justiça Gabriela Arenhart, da Comarca de Imbituba, indicou que deixar o casal livre representaria risco às investigações, à ordem pública e à segurança das testemunhas. Juntos, os três presos tentaram obstruir as investigações ao fugir para o município gaúcho e supostamente tentarem destruir seus celulares.

Um depoimento citado pelo órgão, aponta que uma testemunha disse que temia contar o que sabia por medo dos acusados. Ela descrevia como os crimes teriam sido praticados de forma cruel e sem qualquer chance de defesa à vítima. O MP vai ajuizar ação penal pública com oferecimento de denúncia e tipificação de crimes pelos quais eles deverão ser processados.