Governo reduz de cinco para quatro meses intervalo da dose de reforço da vacina

Ainda de acordo com ele, a portaria sairá na próxima segunda-feira, 20. “Informem-se sobre o calendário vacinal de seu município e veja se já chegou a sua vez”, acrescentou.
Foto: Tânia Rêgo/ABr

Em uma publicação na rede social Twitter, o ministro Marcelo Queiroga anunciou que o Ministério da Saúde vai publicar uma portaria normativa para baixar de cinco para quatro meses o intervalo de aplicação da dose de reforço (ou terceira dose) da vacina contra o novo coronavírus.

“Para ampliar a proteção contra a variante Ômicron vamos reduzir o intervalo de aplicação da 3ª dose de cinco para quatro meses. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco”, disse Queiroga, neste sábado, 18.

Ainda de acordo com ele, a portaria sairá na próxima segunda-feira, 20. “Informem-se sobre o calendário vacinal de seu município e veja se já chegou a sua vez”, acrescentou.

A vacina da Pfizer será usada como reforço em quem tomou a primeira e segunda dose da Coronavac, AstraZeneca e da própria Pfizer. “A opção por essa vacina levou em consideração o aumento da resposta imunológica no esquema heterólogo. De maneira alternativa, os imunobiológicos da Janssen e AstraZeneca também poderão ser utilizados na dose de reforço”, diz nota do ministério.

Notícias relacionadas