Coletas de sedimentos são feitas no rio Parobé para avaliar presença de contaminação

Testes vão analisar a presença de arsênio, bário, cádmio, chumbo, cromo, sulfatos, nitrato, cloretos, fluoreto, sódio, surfactantes, fenol, mercúrio, alumínio, cobre, ferro, manganês, zinco e selênio.
Divulgação

Coletas de sedimentos em torno do rio Parobé, no Distrito de Ribeirão Pequeno, foram realizadas na última quinta-feira, 4, como parte do processo necessário para definições e finalizações do projeto de dragagem do local.

Os trabalhos foram feitos por técnicos do laboratório Projelab e da Secretaria de Pesca e Agricultura (Speagri). A análise é considerada o passo inicial para a operação de dragagem, uma vez que é preciso estabelecer uma grande variedade de parâmetros que são essenciais no processo de planejamento e pedido de licenciamento ambiental.

Os testes vão analisar a presença de arsênio, bário, cádmio, chumbo, cromo, sulfatos, nitrato, cloretos, fluoreto, sódio, surfactantes, fenol, mercúrio, alumínio, cobre, ferro, manganês, zinco e selênio.

As coletas ocorreram em três pontos do rio. O resultado final é extremamente necessário para saber a qualidade do sedimento que vai ser coletado e possibilitar definir o caminho final dos sedimentos retirados. Se houver detecção de contaminação, o material deverá ir para aterro. A conclusão deve ficar pronta em pelo menos 15 dias.