Pescadores do Camacho decidem tentar reunião com prefeito

Pelo menos 3 mil famílias, de Laguna e Jaguaruna, são afetadas diretamente pela falta de água no canal.
Foto: Jornal Folha Regional

Pescadores afetados pelo assoreamento da Barra do Camacho decidiram fazer uma nova mobilização e irem até à prefeitura de Jaguaruna, na próxima segunda-feira, 4. Eles esperavam a presença do prefeito Laerte Silva (PSC), de Jaguaruna, no encontro realizado na tarde desta sexta-feira, 1º, na barra, mas o chefe do Executivo não compareceu.

O encontro teve organização da União das Associações de Pesca da Ilha (Uapi), de Laguna. Quem vive da pesca teme a demora no processo burocrático de escolha das empresas que farão o desassoreamento e o enrocamento da barra, obras urgentes orçadas em cerca de R$ 10 milhões. O recurso foi fornecido pelo governo do Estado via convênio com o município vizinho à Laguna. Pelo menos 3 mil famílias, da cidade juliana e de Jaguaruna, são afetadas diretamente pela falta de água no canal.

O principal entendimento da classe é que se há comercialização de areia, as empresas que fazem esse serviço devem sustentar a manutenção da draga, hoje em poder do município. Segundo o jornal Folha Regional, o grupo já tem um ônibus à disposição para os transportarem até à prefeitura, e se não conseguirem ser atendidos não está descartada a realização de um protesto no Centro do município.

Agora Laguna tentou contato com Silva para obter sua posição sobre o assunto, mas não obteve retorno até 19h40, última atualização do texto. A licitação para a escolha das empresas foi iniciada em agosto e a primeira sessão ocorreu no final de setembro, com 14 concorrentes habilitadas. As propostas são analisadas pelo setor de engenharia da prefeitura e da Amurel, que elaborou o projeto para os serviços.

Notícias relacionadas