Nova portaria estadual organiza critérios para teste de Covid

São regras para basear a reorganização dos fluxos e critérios para realização da estratégia de testagem ampliada para o coronavírus.
Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,116 visualizações,  4 views today

Santa Catarina divulgou, nesta segunda-feira, 11, uma nova portaria com regras que vão basear a reorganização dos fluxos e critérios para realização da estratégia de testagem ampliada para o coronavírus.

A normativa passa a considerar o que se chama de escape vacinal, isto é, a ocorrência de infecção 28 dias depois da vacinação completa. Da mesma forma: a reinfecção, possíveis surtos de Covid-19, com aumentos de Síndromes Gripais, Síndromes Respiratória Aguda Grave (Srag) e óbitos confirmados com vínculo epidemiológico, além de casos suspeitos, testes laboratoriais remotos, contato próximo, isolamento e tipos necessários de quarentena.

Os municípios podem adotar medidas para garantir a oferta ampliada de pontos de testagem e realizar monitoramento na atenção básica para sintomas suspeitos. A identificação da infecção pelo vírus permanece sendo o RT-qPCR ou TR-AG.

A orientação estadual é que seja realizada testagem ampliada nas indústrias, escolas e demais instituições com públicos restritos e definidos na portaria.

Pelo texto, a oferta e execução de testes rápidos devem estar vinculadas a laboratório clínico, posto de coleta ou serviço de saúde pública e todos os registros devem ser notificados à Plataforma SC Digital e a e-SUS, inclusive por parte de instituições privadas e fora da SES. O Estado também pede monitoramento de síndromes respiratórias e total atenção da atenção básica dos municípios.

O regramento também norteia o isolamento. Todos os casos suspeitos devem seguir uma orientação de 10 dias afastados, contados a partir do início dos sintomas. Os pacientes imunossuprimidos, independente da forma clínica da doença, devem ser mantidos em isolamento por pelo menos 20 dias contados, a partir da data de início dos sintomas. A secretaria orienta que, caso os sintomas continuem após dez dias que se procure atendimento médico.

Notícias relacionadas