Região de Laguna é reclassificada e volta ao risco grave

Além da Amurel, as demais regiões do Sul (Carbonífera e Extremo Sul) estão classificadas na mesma condição. As outras localidades também consideradas com em risco grave são: Médio Vale do Itajaí, Oeste, Planalto Norte e Xanxerê.
Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 3,532 visualizações,  8 views today

Após uma semana na cor amarela (risco alto), a região de Laguna (Amurel) foi reclassificada e voltou ao nível grave para o novo coronavírus (cor laranja). O mapa de risco foi divulgado neste sábado, 11, e mostra que somente a região de Joinville (Nordeste) segue em nível gravíssimo.

Além da Amurel, as demais regiões do Sul (Carbonífera e Extremo Sul) estão classificadas na mesma condição. As outras localidades também consideradas com em risco grave são: Médio Vale do Itajaí, Oeste, Planalto Norte e Xanxerê.

Em risco alto (amarelo) estão: Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Extremo Oeste, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Meio Oeste e Serra Catarinense. Não há regiões no patamar azul, que representa o risco moderado para Covid-19.

Conforme o governo, a capacidade de atenção permanece sendo o destaque positivo da avaliação, com apenas as regiões Nordeste, Planalto Norte e Xanxerê tendo nota máxima de risco. Todas as outras estão em níveis mais baixos. Por outro lado, os índices de monitoramento e gravidade são mais preocupantes, pois trazem todas as regiões em níveis altos, graves ou gravíssimos de atenção.

Matriz

A matriz é organizada, segundo o Estado, em quatro dimensões de prioridade: gravidade, transmissibilidade, monitoramento e capacidade de atenção. A variável de óbitos na semana por 100 mil habitantes se denomina gravidade e é a informação epidemiológica mais precisa. A dimensão também aborda a tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) por 100 mil habitantes.

A taxa de transmissibilidade (Rt) é agrupada com o número de infectantes por 100 mil habitantes na dimensão de transmissibilidade. Já a de monitoramento avalia as variáveis de cobertura vacinal em maiores de 18 anos com segunda dose ou dose única completa, bem como a variação de número de casos semanal. A capacidade de atenção, por sua vez, é a taxa de ocupação de leitos de UTIs adulto SUS reservado para Covid-19.

Previous
Next